Ana Rente e Beatriz Martins conquistam bronze nos trampolins nos europeus

Esta é a primeira medalha feminina da comitiva lusa e a oitava ganha por portugueses nos I Jogos Europeus, em Baku.

Foto
As ginastas conquistaram a oitava medalha de Portugal na competição Comité Olímpico de Portugal

As ginastas Ana Rente e Beatriz Martins conquistaram a medalha de bronze nos trampolins sincronizados nos Jogos Europeus que decorrem em Baku, no Azerbaijão. Esta é a oitava medalha de Portugal na competição.

O oitavo pódio luso nos I Jogos Europeus foi conseguido com 44.500 pontos, valor distante do ouro da Rússia (46.400), mas a apenas uma décima da prata da França. As ginastas portuguesas manifestaram a sua satisfação com o resultado, embora reconhecendo que a proximidade do segundo lugar tem um sabor “um bocadinho agridoce”. “Uma pessoa nunca está satisfeita com o que tem, a menos que seja o primeiro lugar. Mas é óbvio que o terceiro lugar foi espectacular e estamos muito contentes”, afirmou Beatriz Martins.

“Claro que estamos muito contentes por conseguirmos a medalha, mas é mais agridoce por ficarmos a apenas uma décima do segundo lugar, que não é quase nada”, reforçou Ana Rente.

A atleta olímpica recordou que a dupla só este ano começou a trabalhar junta e que atingir a final já foi “muito bom”. “Sabemos que era um resultado pelo qual lutávamos e treinamos para o atingir. Esta medalha foi o culminar de uma preparação que terminou da melhor forma”, acrescentou Ana Rente. “Fomos para a final em ultimo lugar, tínhamos de fazer uma grande série e esperar que as outras não fizessem tão bem. Foi sofrer até ao fim, mas valeu a pena”, rematou.

Já Beatriz Martins destacou que estes Jogos Europeus têm uma “envolvente diferente de tudo a que estava habituada, mais característica dos Jogos Olímpicos”, que, garante, pretende disputar um dia. “Consegui encarar a competição da melhor forma, tentando não me levar tanto pela emoção e entrar na prova mais fria. Não digo que a estreia olímpica seja este ano, mas estou nisto para levar até ao fim. É a competição que me falta”, completou a ginasta de 21 anos.

Esta foi a oitava medalha de Portugal nos Jogos Europeus, após as conquistas de ouro de Rui Bragança (-58 kg) no taekwondo e no ténis de mesa por equipas (Marcos Freitas, Tiago Apolónia e João Geraldo). A prata surgiu com João Silva no triatlo, João Costa no tiro e Fernando Pimenta em K1 1.000 e 5.000 metros na canoagem, enquanto Júlio Ferreira (-80 kg) no taekwondo conquistou uma medalha de bronze.

O chefe de Missão aos I Jogos Europeus congratulou-se com aquela que foi a primeira medalha feminina da comitiva portuguesa em Baku. “O oito é um número que adoro, o três do bronze também e o seis do número de modalidades que conseguiram o pódio até à data também. E o concretizar o sonho de estarem no pódio, alguns no patamar mais alto, mas todos em grande destaque e é isso que se deseja, estarem ao mais alto nível”, disse José Garcia.

A oitava medalha surgiu três dias depois da sétima, conquistada por Júlio Ferreira no taekwondo, um facto que não preocupa o chefe de missão. “Começámos a um ritmo muito acelerado, naturalmente teria de algum dia acontecer o que aconteceu. Estamos em busca do máximo e está concretizado neste número maravilhoso que já é para nós o oito e sei que tudo os nossos atletas farão, estou certo disso, para que este número cresça ainda mais um pouco”, disse.

Para José Garcia, o menos número de medalhas femininas “não é uma debilidade só do desporto português é do desporto mundial”. “O COI [Comité Olímpico Internacional] tem feito essa referência, tem ajustado o programa olímpico, procurando incentivar a participação feminina. É uma realidade, temos de viver com ela e procurar superá-la”, concluiu.