Rajadas de vento forte assustaram quem foi à praia em Tróia

Fenómeno não é comum, mas foi localizado e está ultrapassado, diz meteorologista do IPMA.

Aguaceiros e trovoada vão continuar
Fotogaleria
A normalidade na praia foi afectada por ventos fortes Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Imagem de um leitor revela a destruição deixada pelo vento forte DR

Pelas quatro da tarde deste domingo começaram a chegar os primeiros relatos ao Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Ventos fortes, guarda-sóis pelos ares e algum susto na zona de Tróia. A meteorologista Cristina Simões confirmou ao PÚBLICO que houve, de facto, “um fenómeno de vento forte” e que também houve relatos “na zona de Alcochete e em algumas zonas de Lisboa”. Diz que não há motivos para alarme.

“A situação, embora assuste as pessoas, está associada à situação de instabilidade que se vive um pouco por todo o país, com aguaceiros e trovoadas. Não sendo fenómenos comuns [estes fenómenos de vento forte], são localizados e já passou”, explicou.

Ainda não há registos oficiais sobre as rajadas de vento que se fizeram sentir — mas a meteorologista do IPMA explica que se considera que há vento forte quando este atinge mais do que 60 ou 70 quilómetros por hora.

“Na praia estes fenómenos tornam-se mais visíveis, com os chapéus a voar. O primeiro relato de Tróia chegou-nos por volta das quatro horas", disse a meteorologista.

Para esta segunda-feira, o IPMA prevê períodos de céu muito nublado e condições favoráveis à ocorrência de aguaceiros e de trovoada, em especial durante a tarde.

Prevê ainda vento fraco (inferior a 15 km/h), soprando moderado (20 a 30 km/h), de leste no Algarve até ao fim da manhã, e de noroeste na costa ocidental a sul do cabo Raso durante a tarde. Nas terras altas, o vento será moderado (20 a 35 km/h) de nordeste até ao meio da manhã e para o fim do dia.