DR
Foto
DR

Hurricanes no play-off, Crusaders quase de fora

A 15.ª jornada do Super Rugby ajudou a clarificar quem é quem na luta por um lugar na fase final da competição

A luta por um lugar no play-off começa a apertar no Super Rugby e a 15.ª jornada ajudou a clarificar algumas posições. Os Hurricanes continuam a realizar uma campanha notável (uma derrota em 13 jogos) e já têm o lugar no play-off garantido. Chiefs, Highlanders e Waratahs também venceram e aproveitaram a folga dos Brumbies para se destacarem. Numa ronda as equipas sul-africanas realizaram boas exibições, os Lions voltaram a surpreender.

 

Chiefs-Bulls (34-20)

PÚBLICO -
Foto

Os Chiefs entraram dilacerantes, mas a cometer erros que não lhes permitiu ganhar pontos e os Bulls aproveitaram para chegar ao intervalo na frente: 3-15. No segundo tempo, os neozelandeses activaram o rolo compressor e, com cinco ensaios (Messam, Heem, Nanai-Williams e Pulu com “bis”), asseguraram a vitória, por 34-20. Os Bulls mostraram personalidade ao marcarem três ensaios, mas o esforço foi insuficiente para deter os Chiefs.

 

Reds-Sharks (14-21)

A primeira vitória em tour dos Sharks chegou em Brisbane, onde os sul-africanos bateram os Reds, que não conseguem abandonar os últimos lugares. A partida registou dois ensaios para cada lado (Kuridrani e Kerevi para os Reds; Stefan Ungerer com bis para os Sharks), mas Frans Steyn foi mais assertivo a pontapear a bola e fez a diferença.

 

Blues-Hurricanes (5-29)

Num jogo ditado por muitos pontapés e erros de manipulação de bola devido à intensa chuva que se fez sentir, foram os Hurricanes que produziram um jogo mais inteligente, infligindo a primeira derrota em casa dos Blues nesta época. Dois ensaios na primeira e dois na segunda (Eves, Perenara, Coles e Milner-Skuder) garantiram a vitória com bónus aos líderes incontestados da competição, que já garantiram a presença no play-off, o que já não acontecia desde 2009.

 

Waratahs-Crusaders (32-22)

Com este resultado e antes de uma tour pela África do Sul, os Waratahs conseguiram a nona vitória em 13 jogos e vão marcando posição para tentarem defender o título, depois de um início de prova desastrado. Os Crusaders, que só falharam três vezes os play-off - a última das quais no longínquo ano de 2001 – vêm a sua posição complicar-se cada vez mais e a presença na fase final começa a transformar-se numa miragem para McCaw, Carter e companhia. Neste jogo, Nadolo marcou primeiro para os homens de vermelho, mas o bis de Niyaravoro, e ensaios de Horne e Foley permitiram a vitória com bónus dos “tahs”. Pelos Crusaders ainda marcaram McCaw e Todd, numa partida duro e física onde foram mostrados dois amarelos.

 

Force-Highlanders (3-23)

A Force ainda se aguentou no primeiro tempo, mas nos segundos quarenta minutos acabou por sucumbir à maior posse e território dos visitantes. Os Highlanders fizeram toque de meta por John Hardy e Aaron Smith, com Sopoaga a ser responsável por nove pontos a partir do seu pontapé. A equipa dos Highlanders será a melhor colocada para disputar conjuntamente com os Chiefs a segunda posição na conferência neozelandesa, visto que os Hurricanes estão somente a três pontos de garantir matematicamente o primeiro lugar.

 

Cheetahs-Lions (17-40)

Os Lions fizeram uma boa exibição com poucos erros, boa posse, mêlées eficientes e uma capacidade pontapeadora afinada por parte de Jantjies (20 pontos). Pela formação de Joanesburgo marcaram Jaco Kriel, Lionel Mapoe, Courtnall Skosan e Faf de Klerk. Nos Cheetahs, Boom Prinsloo foi a figura, ao conseguir dois toques de meta. Este foi o penúltimo jogo comandado por Naka Drotske, depois de nove anos à frente dos Cheetahs. Após a partida da próxima semana frente aos Stormers, Franco Smith, assumirá o lugar de treinador principal.

 

Stormers-Rebels (31-15)

Com mais esta vitória, os Stormers já somam quatro frente às equipas australianas, reflexo de um pleno domínio nesses encontros. Dillyn Leyds fez ensaio perto do intervalo e no reatar do segundo tempo, na sequência de uma intercepção e de um scrum, Damian de Allende juntou-se também aos marcadores de ensaios. Pelos Rebels marcaram Dom Shipperley e Tom English.