Morreu Mariano Gago, o cientista que pôs a ciência na agenda política

Desenvolveu a ciência, instituiu avaliações internacionais, tornou o país membro de grandes organizações europeias. Em suma, fez da ciência portuguesa o que ela é hoje.

Fotogaleria
Mariano Gago (1948-2015) Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
No Centro Ciência Viva Júnior no Biocant, Cantanhede, em 2007 Adriano Miranda
Fotogaleria
A bordo do navio D. Carlos I, em 2005 Carlos Lopes/Arquivo
Fotogaleria
Na iniciativa Biologia no Verão em 2001 Nélson Grarrido
Fotogaleria
Numa iniciativa de observação dos astros na praia do Tamariz, Estoril, em Agosto de 1996 Bruno Rascão/Arquivo
Fotogaleria
Num conselho de ministros extraordinário, em Outubro de 2001 Daniel Rocha
Fotogaleria
Num avião da Força Aérea Portuguesa para observar o cometa Hale-Bopp, em Abril de 1997 Luís Ramos/Arquivo
Fotogaleria
Mariano Gago nas Jornadas Nacionais de Investigação Científica e Tecnológica, em 1987 DR
Fotogaleria
Nas Jornadas, quando Mariano Gago era presidente da JNICT e Cavaco Silva o primeiro-ministro DR

José Mariano Gago, que enquanto ministro da Ciência de governos socialistas pôs a investigação científica na agenda política portuguesa, morreu na sexta-feira em Lisboa, de cancro. Tinha 66 anos. Desempenhou as funções de ministro da Ciência em dois governos de António Guterres, entre 1995 e 2002, e outros dois de José Sócrates, entre 2005 e 2011. Inspirador, sonhador, energético, líder, alguém que teve uma visão para a ciência e a cultura científica do país e, mais do que isso, a pôs em prática – foram palavras usadas na sexta-feira para o descrever. O corpo está em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, e segue às 12h de sábado para o cemitério de Pechão, no Algarve.

Mariano Gago era físico de partículas. O seu percurso académico começa no Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa. Licenciado aí em 1971 em engenharia electrotécnica, Mariano Gago parte para Paris para fazer o doutoramento sobre a produção e transferência de energia. “Pouco depois, em 1972, tenho um mandado de captura da PIDE, fujo de Portugal (estava cá de férias) e organizo a minha vida pensando que nunca mais voltaria”, disse numa entrevista à revista Análise Social em Julho de 2011, já depois de ter deixado de ser ministro. “Venho a Portugal, é claro, depois do 25 de Abril de 1974, mas o meu trabalho é lá.”

Quando termina o doutoramento, em 1976, segue para a Suíça, para Genebra, onde fica o Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN). Como físico, trabalha então no campo da aceleração e colisão de partículas, das altas energias. “A partir de 1978-1979, começo a tentar voltar para Portugal. Nos anos seguintes, estou cá e lá”, disse na mesma entrevista.

Casado com a socióloga Karin Wall, e já com uma filha, a viverem em Genebra, é convidado para presidir à Junta de Investigação Científica e Tecnológica (JNICT), que antecedeu a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), a principal entidade de financiamento público da investigação portuguesa. O convite, em 1986, partiu do então secretário da Investigação Científica, Eduardo Arantes e Oliveira, num governo PSD de Cavaco Silva.

Mariano Gago aceita e vem para Lisboa, ficando na JNICT durante três anos, até 1989. É no âmbito destas funções que organiza, em 1987, as Jornadas Nacionais de Investigação Científica e Tecnológica. Ainda hoje, essas jornadas – que reuniram em Lisboa a então pequena comunidade científica portuguesa para se apresentarem propostas de desenvolvimento da ciência no país e fazer uma reflexão sobre as políticas de ciência – estão na memória de muitos investigadores. Não só a comunidade científica era pequena, como muitos estavam lá fora.

“Como presidente da JNICT, revelou-se como gestor de ciência. Aí começou a fazer política de ciência, a pôr a ciência na agenda política. Mostrou enormes qualidades de liderança”, sublinha Carlos Fiolhais, físico da Universidade de Coimbra e divulgador científico.

Depois de sair da presidência da JNICT, Mariano Gago escreve, em 1990, o livro Manifesto para a Ciência em Portugal. “Este livro é um programa de governo para a ciência. E ele pôs em prática esse programa. Achava que Portugal era um país atrasado e que o atraso podia ser remendado com uma aposta na ciência”, refere ainda Carlos Fiolhais.

Depois de 1989, quando deixa a JNICT, anda entre cá e lá. “Ainda temos um pé na Suíça, mas estamos a viver em Lisboa, ainda que eu passe tempo no CERN, como muitos outros físicos experimentais da minha área, especialmente na altura da preparação das experiências ou da aquisição de dados”, recordava à Análise Social.

Depois, em 1995, é convidado para ministro da Ciência e Tecnologia. “Foi a primeira vez que existiu um ministério só para a ciência e a tecnologia e isso é uma mudança enorme em Portugal, da noite para o dia”, frisa Carlos Fiolhais.

O que se segue é a criação de uma série de alicerces. Surge então a FCT, a sucessora da JNICT. É lançada a Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, que tem hoje uma rede de centros pelo país e cujo ex-libris é o Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. “A Ciência Viva é uma das coisas mais inovadoras que Mariano Gago deixa. Uma agência como a Ciência Viva não existe em todos os países do mundo. Muitos cientistas estrangeiros perguntam-nos: ‘Vocês têm uma agência só para a cultura científica?’”, refere ainda Carlos Fiolhais. “O Pavilhão do Conhecimento tem actividades que atraem desde miúdos de três ou quatro anos até aos avós. É um legado de Mariano Gago”, diz também o investigador Alexandre Quintanilha, que é presidente do conselho científico do Pavilhão do Conhecimento.

No legado de Mariano Gago está também a instituição da avaliação internacional da ciência que se faz em Portugal. “A avaliação internacional das unidades de investigação é dele. A FCT começa com o propósito de dar padrões internacionais à ciência portuguesa”, acrescenta Carlos Fiolhais. Uma herança também salientada por Alexandre Quintanilha: “Foi ele que começou a avaliação externa das instituições de investigação.”

O próprio falou disso, na entrevista já mencionada. “Não era possível pedir a confiança do país e afirmar a ambição de vencer em tempo curto um atraso científico que já se tornara uma fatalidade sem esperança, sem quebrar a lógica corporativa, sem apelar para o acompanhamento e a avaliação exclusivamente internacionais da ciência em Portugal, o que começa por ser praticado logo em 1987 [na JNICT], mas acaba por se concretizar de forma generalizada depois da criação do Ministério da Ciência e Tecnologia em 1995”, lembrava Mariano Gago, dizendo que, numa comunidade científica então tão pequena, era preciso “quebrar radicalmente com sistemas de reconhecimento e de avaliação internos assentes na hierarquia das próprias instituições.”

Também internacionaliza a ciência portuguesa – através da adesão do país a uma série de grandes organizações científicas, como a Agência Espacial Europeia (ESA), o Observatório Europeu do Sul (ESO) ou ao Laboratório Europeu de Radiações Sincrotrão (ESRF).

"Um dos melhores ministros que houve em Portugal"
Com José Sócrates, regressa como ministro à pasta da Ciência e da Tecnologia, juntando-se ainda o Ensino Superior, entre 2005 e 2011. Nem tudo foi cor-de-rosa. Enquanto ministro do Ensino Superior, Mariano Gago não foi, de uma forma genérica, uma pessoa querida dos reitores das universidades, com os quais manteve grandes confrontos, principalmente devido a sucessivos cortes orçamentais e à criação do Regime Jurídico para as Instituições do Ensino Superior, que impôs a reorganização daquelas instituições.

Isso não impediu Sampaio da Nóvoa, que à época era reitor da Universidade de Lisboa, de elogiar na sexta-feira o papel de Mariano Gago “na divulgação científica” e “na democratização do ensino, principalmente através da criação de condições de acesso especiais para os maiores de 23 anos”, lembra. “Tinha a convicção de que nunca seria de mais o número de diplomados em Portugal.”

Sobrinho Teixeira, que na altura presidia ao Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, também recorda “alguns diferendos, mas sempre ultrapassados pela capacidade de diálogo e pela afectividade” de Mariano Gago. Não hesita em classificá-lo como “um dos melhores ministros que houve em Portugal”. “Quer em relação ao ensino quer à ciência, fez os possíveis para colocar Portugal ao nível dos mais desenvolvidos países europeus.” Aponta como exemplo, na área do ensino, a criação da agência de avaliação e acreditação do ensino superior, que já determinou o fim de centenas de cursos.

No ensino superior, a acção de Mariano Gago ficou marcada, também, pelo encerramento de três universidades privadas (Moderna, Internacional e Independente), por falta de viabilidade económico-financeira, degradação institucional ou falta de qualificação dos professores, entre outros aspectos.

No intervalo entre os governos de Guterres e Sócrates, de 2002 a 2005, Mariano Gago volta ao IST, onde era professor catedrático. E ao Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP), que até agora presidiu. A agência Ciência Viva ocupou na sexta-feira a sua página na Internet com uma fotografia a toda a largura de Mariano Gago, com as palavras com que terminou o seu discurso de abertura do primeiro Fórum Ciência Viva, em 1997: “Sem pensamento, sem diálogo estruturado sobre o porquê das coisas, sem controvérsia, sem enigma, sem verdadeira experimentação, não há ciência nem educação científica.”

Com Graça Barbosa Ribeiro e Nicolau Ferreira