Fotogaleria
Já te tinha dito
Fotogaleria
DR

Só há uma verdade: Mário Belém não quer emigrar

Depois de apresentar o seu trabalho em 2013, Mário regressa com uma nova exposição no Bairro Alto de 11 a 18 de Abril. Dois anos depois, deixa uma garantia: não quer ir trabalhar para fora

Mário Belém desenha desde que se lembra. Dos “snoopys” e “mickeys” passou a fazer trabalhos mais sérios como banda desenhada para uma revista. Gostou, mas queria mudar de estilo. Armado “em esperto”, decidiu ir para a faculdade estudar arquitectura para aprofundar conhecimentos. Odiou. Resolveu então, tirar um curso de “design” gráfico. Ao contrário da faculdade, gostou muito da carga horária e da possibilidade de trabalhar ao mesmo tempo que estudava.

Depois de alguns trabalhos e “coisas malucas”, Mário está, actualmente, a trabalhar como “freelancer” em áreas tão distintas como agências de publicidade e capas de CD. Mas afinal, o que é que Mário gosta mesmo de fazer? Os trabalhos “de umbigo”, aqueles que são mais pessoais.

Reapreendeu a desenhar à mão – “é bem mais difícil do que imaginei”, confessa – e decidiu que queria pintar murais. Mas a decisão não veio do nada. O deslumbramento por este tipo de arte nasceu depois de ver um prédio "enorme" pintado com um mural "lindo". Ficou decidido nesse momento: “É isto que quero fazer!”, recorda. No meio de latas de spray e roupa suja, vive do que sonhou: pintar as paredes de Lisboa, Figueira da Foz, Holanda e Paris.

PÚBLICO -
Foto
Não pescas nada

"A saída é pelo espelho"

Em 2013, apresentou o seu trabalho “Mário quem?” e regressa agora com a exposição "Só há uma verdade: a saída é pelo espelho" que engloba o trabalho de dois anos, marcado por perdas pessoais. Assim, o seu mundo pessoal transporta-se para o trabalho artístico com tons de cinza e, ao mesmo tempo, muita cor como sinal de esperança.

Ciente das reacções boas e más que o seu trabalho desperta, não pensa duas vezes quando lhe perguntam se quer ir trabalhar para o estrangeiro. Não, não quer. Porquê? “Eu adoro isto, pá!”.

As expressões e provérbios populares, assim como o trabalho com a madeira e as pinturas nas ruas, vão estar presentes neste “pop up show” (de 11 a 18 de Abril) no Bairro Alto.