Homem de 26 anos assassinado na prisão do Linhó

O crime terá sido cometido com uma arma branca.

Foto

Um recluso de 26 anos foi assassinado na manhã deste domingo no Estabelecimento Prisional do Linhó, em Sintra, durante uma rixa no pátio da prisão, na hora do recreio.

O jovem foi atingido com vários golpes de um objecto contundente que desapareceu no meio da confusão.

Foram vários os envolvidos na rixa e a arma do crime – que poderá ser uma faca ou um objecto perfurante fabricado na prisão – não foi encontrada. A Polícia Judiciária (PJ) esteve à tarde no local a investigar o que aconteceu e a interrogar vários reclusos, disse ao PÚBLICO uma fonte oficial.

O presidente da Associação Sindical das Chefias do Corpo da Guarda Prisional, Mateus Dias, adiantou à Lusa que o recluso ainda foi transportado com vida pelos companheiros para os serviços clínicos da prisão, onde acabou por morrer.

Para Mateus Dias, o homicídio fica a dever-se à "ruptura dos serviços prisionais" e à "manifesta falta de guardas". O sindicalista disse ter "a certeza absoluta" de que não havia nenhum guarda a vigiar os pátios da prisão quando o crime foi cometido. "Hoje [ontem] só estavam 40 guardas escalados e isso é manifestamente pouco. Há zonas prisionais que todos os dias estão sem guardas. É lógico que os reclusos tomam conta destes espaços." O estabelecimento prisional do Linhó tem capacidade para 584 reclusos. De acordo com as estatísticas disponíveis no site da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, tinha 578 presos em 31 de Dezembro de 2013.  

O jovem que morreu tinha sido condenado a sete anos de prisão e estava detido desde 2011 por furto, roubo e posse de arma proibida, segundo a SIC Notícias, que adiantou que o suspeito da autoria do crime foi identificado e isolado.

Com um historial de vários abandonos familiares e referenciado desde cedo por comissões de protecção de crianças e jovens, o recluso assassinado envolveu-se na rixa por razões não esclarecidas, acrescentou outra fonte oficial. A  procuradora do Ministério Público de Cascais esteve no estabelecimento prisional para tomar conta da ocorrência. O corpo da vítima foi transferido para o Instituto de Medicina Legal para ser autopsiado.