Descoberta primeira espécie de rã que dá à luz girinos

Animal vive nas florestas equatoriais da ilha de Celebes, Indonésia, e pesa cinco a seis gramas.

Um macho (à esquerda) e uma fêmea da espécie <i>Limnonectes larvaepartus</i>
Fotogaleria
Um macho (à esquerda) e uma fêmea da espécie Limnonectes larvaepartus Jim McGuire/ UC Berkeley
Os girinos recém-nascidos desta espécie
Fotogaleria
Os girinos recém-nascidos desta espécie Jim McGuire/ UC Berkeley
Um macho ao pé de girinos (no meio do círculo) numa poça de água
Fotogaleria
Um macho ao pé de girinos (no meio do círculo) numa poça de água Jim McGuire/ UC Berkeley

Na maioria das rãs, a fertilização ocorre fora do corpo da fêmea. Os ovos eclodem, de lá saem girinos que sofrem metamorfoses até se tornarem rãs adultas. Mas há excepções, em duas espécies a fertilização é interna e a fêmea dá à luz pequenas rãzinhas. Noutras duas, que entretanto extintas, as fêmeas engoliam os ovos fertilizados e estes desenvolviam-se no estômago. Estes são alguns exemplos da variedade natural deste grupo de anfíbios.

Agora, pela primeira vez, encontrou-se uma espécie de rã em que a fertilização é interna, mas a fêmea dá à luz girinos. Este animal vive em Celebes, uma ilha da Indonésia que fica imediatamente a leste da ilha de Bornéu, a espécie aparece descrita num artigo desta quarta-feira da revista científica PLOS ONE.

“Quase todas as rãs do mundo – mais de 6000 espécies – têm fertilização externa, onde o macho agarra a fêmea e liberta o esperma ao mesmo tempo que a fêmea liberta os ovos”, explica Jim McGuire, investigador da Universidade de Berkeley, na Califórnia, que encontrou a espécie pela primeira vez em 1998, mas só recentemente descobriu o curioso modo de reprodução. “Mas há muitas modificações esquisitas deste modelo padrão. Esta nova rã está entre dez a 12 espécies que desenvolveram fertilização interna ao longo da evolução, e dessas é a única que dá à luz girinos, e não põem ovos fertilizados ou dá à luz rãs pequeninas”, disse, citado num comunicado daquela universidade.

Numa noite do Verão passado, Jim McGuire passeava-se pela floresta equatorial nesta ilha quando viu e apanhou “aquilo que pensava ser uma rã macho, mas viu-se a fazer malabarismos com dúzias de girinos escorregadios que tinham acabado de nascer”, segundo o comunicado.

A espécie recebeu agora o nome de Limnonectes larvaepartus. Um dos autores do artigo é Djoko Iskandar, um investigador indonésio que descobriu esta rã há algumas décadas. Já se suspeitava que a espécie desse à luz girinos, de cerca de dez milímetros, mas só agora se observou este fenómeno. A rã, que pesa apenas cinco ou seis gramas, parece gostar de dar à luz em pequenas poças de água, longe de ribeiros ou rios, possivelmente para evitar outras espécies de rãs.