Mário Soares visitou Sócrates: "Todo o PS está contra esta bandalheira"

Histórico líder socialista diz acreditar na inocência do antigo primeiro-ministro e afirma que este é "um caso político" orquestrado por “malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar".

O antigo Presidente da República e histórico líder socialista Mário Soares visitou na manhã desta quarta-feira José Sócrates, no Estabelecimento Prisional de Évora, e criticou duramente o facto de o ex-primeiro-ministro estar preso preventivamente, qualificando este caso como "político" e orquestrado por "malandros". "Diga a esse juiz que é muito estranho, que eu também sou jurista", disse Soares, quando questionado sobre a prisão preventiva aplicada ao ex-chefe de Governo.

Após uma visita de cerca de uma hora, Soares reafirmou que está convicto da inocência de Sócrates e não escondeu a sua irritação com os acontecimentos dos últimos dias. “É um homem digno e não pode ser tratado de qualquer maneira. E nem sequer foi julgado”, disse, para logo acrescentar: "Têm feito uma campanha contra ele que é uma infâmia. É a comunicação social que faz, mas são os tipos que estão por trás dela".

Para Soares, o processo que levou à detenção de Sócrates é "um caso político" orquestrado por “malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar".

"Todo o PS está contra esta bandalheira", disse ainda, apesar de este caso não ter "nada a ver com os socialistas". Uma declaração que contrasta com o pedido feito por António Costa, para que o partido não fosse envolvido "na apreciação de um processo que, como é próprio de um Estado de direito, só à Justiça cabe conduzir com plena independência, que respeitamos".

Mário Soares contestou ainda haver fundamento para colocar Sócrates em prisão preventiva: "Diga a esse juiz que é muito estranho, que eu também sou jurista."

Sobre o encontro propriamente dito, usou a palavra emoção para o descrever: “Ficou emocionado por eu estar [a visitá-lo] e eu fiquei emocionado por vê-lo.” O ex-Presidente disse que falaram "sobre tudo", comentando que está "muito bem" e com "um moral fantástico". "Gostei imenso de estar com ele. Acho que está com a dignidade de sempre. É uma grande figura", afirmou, citado pela Lusa, destacando "a simpatia e a amizade profunda" que têm um pelo outro.

Quarta-feira não é dia de visitas no presídio de Évora, que apenas as autoriza às terças e quintas-feiras e durante os fins-de-semana, mas o antigo Presidente da República recebeu uma autorização especial dos serviços prisionais para poder visitar o ex-governante socialista. Segundo explicou Soares à saída da prisão, o facto de ter o lançamento de um livro marcado para quinta-feira motivou esta antecipação da visita para o dia de hoje.

Em resposta a uma pergunta da Lusa, a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais indicou que esta visita foi autorizada ao abrigo do artigo que permite aos reclusos preventivos em regime comum receberem visitas, sempre que possível, todos os dias.

O nome de Mário Soares "consta, na qualidade de amigo, da lista de visitantes apresentada, conforme o legalmente previsto, pelo recluso". Desta forma, explica a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, a visita de Mário Soares foi “previamente solicitada e autorizada ao abrigo do disposto no n.º 1 do art.º 222.º do Regulamento Geral dos Estabelecimentos Prisionais”, que estabelece que o recluso preventivo colocado em regime comum pode receber visitas, sempre que possível, todos os dias.

À chegada a Évora, o fundador do PS afirmou que este não é um momento “nada difícil” para o PS, repetindo assim o que tinha sido dito na véspera pelo novo secretário-geral do partido, António Costa.

Questionado sobre se acredita na inocência de Sócrates, o histórico socialista respondeu: "Com certeza". E, mostrando alguma irritação com as perguntas dos jornalistas, Soares respondeu de forma espirituosa quando lhe perguntaram como chegou a Évora: "De automóvel", disse.

Estas declarações já foram comentadas pelo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, Rui Cardoso, que as considerou "absolutamente lamentáveis" e "uma vergonha para o país"

Sócrates foi detido na passada sexta-feira à chegada ao aeroporto de Lisboa e ficou em prisão preventiva por ordem do juiz Carlos Alexandre. Está indiciado pelos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada, naquele que é um caso sem precedentes na história da democracia portuguesa.

A visita de Soares segue-se às de Capoulas Santos e da ex-mulher de Sócrates, Sofia Fava, que foram na terça-feira os primeiros a visitá-lo na prisão.

Ontem, num artigo de opinião publicado no Diário de Notícias, Mário Soares já criticara o que disse ser “um anormal aparato fortemente lesivo do segredo de justiça” na detenção de José Sócrates, dizendo que tal “não pode passar em vão”. E considerou que não pode igualmente “passar em vão o espectáculo mediático que a comunicação social tem feito, violando também ela o segredo de justiça ao revelar factos que era suposto só serem conhecidos quando um juiz se pronunciasse”.

O empresário Carlos Santos Silva e o motorista João Perna, os outros dois arguidos em prisão preventiva na chamada Operação Marquês, ficaram no estabelecimento prisional anexo às instalações da Policia Judiciária, na Rua Gomes Freire, em Lisboa.