Magnus Carlsen renovou o título de campeão mundial de xadrez

O indiano Viswanathan Anand foi impotente para roubar o estatuto ao jovem xadrezista.

Magnus Carlsen revalidou o título de campeão mundial
Foto
Magnus Carlsen revalidou o título de campeão mundial Manjunath KIRAN/AFP

Magnus Carlsen renovou o título de campeão mundial absoluto de xadrez derrotando de novo o indiano Viswanathan Anand, a quem tinha arrebatado o ceptro há um ano. Tal como em Chennai, também agora, em Sochi, Carlsen, que tem apenas 23 anos, não necessitou das 12 partidas previstas para vencer o confronto, mas desta vez teve de se esforçar muito mais.

De facto, comparativamente ao confronto disputado na Índia, em que Anand foi humilhado, com três derrotas sem resposta nas dez partidas disputadas, desta vez o indiano surgiu muito melhor preparado, tendo ripostado de imediato à derrota sofrida na segunda ronda, repondo a igualdade na partida seguinte.

O momento crucial do encontro seria a sexta partida, quando o jovem norueguês de 23 anos voltou a vencer, numa partida em que, por um instante, Anand poderia ter conseguido o resultado inverso. Na altura o alívio manifestado pelo norueguês foi bem evidente, na conferência de imprensa que se seguiu ao jogo, e este resultado condicionaria a abordagem nas partidas seguintes. Carlsen foi muito mais conservador que o habitual, enquanto Anand tentou complicar as partidas procurando forçar um erro do adversário.

Quatro empates consecutivos punham Carlsen a um ponto do título, à falta de duas partidas e, na 11.ª, Anand arriscaria demasiado, rendendo-se ao 45.º lance.

A manutenção do título mundial aumenta ainda mais a aura em redor de Carlsen, que é já um herói na Noruega, onde é comparado já a Petter Northug e Marit Bjorgen, figuras do esqui nórdico.

A final de Sochi foi transmitida em directo pelo canal público NRK e conseguiu audiências idênticas às do esqui nórdico e superiores às da selecção de futebol.

Além do xadrez, Carlsen tem participado em campanhas publicitárias e tem acordos de patrocínio com várias empresas, que lhe rendem cerca de 1,2 milhões de euros por ano. com Lusa