António Costa separa PS de investigação a Sócrates

António Costa enviou um SMS aos militantes do PS em que separa "os sentimentos de solidariedade e amizade pessoais" da apreciação de um processo" que "só à Justiça cabe conduzir"

António Costa participa na Cimeira Europeia das Regiões e Cidades, em Atenas
Foto
António Costa participa na Cimeira Europeia das Regiões e Cidades, em Atenas Rui Gaudêncio

António Costa enviou, ao fim da manhã deste sábado, uma mensagem por telemóvel a todos os militantes do PS em que se pronuncia sobre a detenção do ex-líder do PS e antigo primeiro-ministro José Sócrates, separando este caso de justiça do que é o PS e a “acção política” deste partido.

A mensagem começa por afirmar a surpresa que atingiu os socialistas: “Estamos todos por certo chocados com a notícia da detenção de José Socrátes.” Mas prossegue fazendo uma demarcação clara entre o que é a acção da investigação policial e a acção judicial e o que é a vida partidária.

“Os sentimentos de solidariedade e amizade pessoais não devem confundir a acção política do PS, que é essencial preservar, envolvendo o partido na apreciação de um processo que, como é próprio de um Estado de direito, só à Justiça cabe conduzir com plena independência, que respeitamos”, afirma António Costa, que hoje será eleito secretário-geral do PS, nas directas que começaram ontem.

A terminar, António Costa adverte que o PS deve “concentrar-se na sua acção de mobilizar Portugal na afirmação da alternativa ao Governo e à sua política”.