Revista Análise Social vai ser posta em circulação com o ensaio dos graffiti

Decisão foi tomada por unanimidade pelo conselho científico do ICS e segue-se à polémica decisão de suspender a revista por causa do artigo ilustrado com graffiti críticos do Governo. "Uma vitória importante", diz João de Pina-Cabral.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Depois da suspensão da revista científica Análise Social por causa de um artigo do sociólogo Ricardo Campos ilustrado com graffiti críticos das políticas do Governo, o conselho científico do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa deliberou nesta sexta-feira, por unanimidade, voltar a “pôr em circulação” o número 212 da revista, que incluía o polémico ensaio, “em versão impressa e digital”.

Num comunicado enviado esta noite às redacções, aquele órgão do ICS anuncia a decisão de “acolher a proposta do director do instituto de fazer cessar a suspensão preventiva e cautelar” do número 212 da revista e afirma “a confiança no director do ICS".  No mesmo comunicado sublinha-se ainda que, “de acordo com os estatutos em vigor, a Análise Social 212 é da exclusiva responsabilidade do então director da revista”, João de Pina-Cabral.

O PÚBLICO contactou o director do ICS para confirmar se a versão que será posta em circulação é a original, mas o responsável escusou-se a comentar o teor do comunicado, justificando que o mesmo é esclarecedor. Contudo, o director do número cuja publicação acabou por ser suspensa confirmou já ao PÚBLICO que “a revista vai ser reposta tal como estava”, isto é, na versão original que inclui o ensaio no centro da polémica. “Trata-se de uma vitória importante para as ciências sociais em Portugal e para a liberdade de imprensa face a um ataque impensado”, esclareceu João de Pina-Cabral em resposta enviada por e-mail.

O conselho científico do ICS esteve reunido nesta sexta-feira e ouviu o director do Instituto de Ciências Sociais, José Luís Cardoso – que decidiu suspender a publicação da revista na Internet e na sua versão impressa –, e o director do número 212 da revista, João de Pina-Cabral, que logo na altura discordou daquela decisão.

Tendo em conta também “o debate suscitado no interior do instituto”, o conselho científico deliberou ainda por unanimidade “saudar o esforço do director do instituto no sentido de assegurar a qualidade científica da revista” e também “de acautelar riscos de responsabilidade civil associados à publicação do número 212”.

Foi ainda decidido por unanimidade “solicitar ao actual director [José Manuel Sobral] da revista Análise Social (eleito em 23 de Setembro de 2014) que apresente ao conselho científico uma proposta de critérios de publicação de todo o tipo de conteúdos a serem incluídos na revista”.

“Gesto de censura”
Quando a polémica estalou, o director do ICS disse ao PÚBLICO que a decisão de suspender a revista era unicamente sua e se devia ao facto de o ensaio visual de Ricardo Campos conter “imagens e mensagens que eram susceptíveis de pôr em causa o bom nome e a imagem do ICS e da revista”. João de Pina-Cabral e a maior parte dos membros do conselho redactorial que nos últimos três anos e meio dirigiram a revista discordaram “profundamente deste acto, que associam a um gesto de censura”. E a apoiá-los tiveram ainda centenas de personalidades nacionais e estrangeiras das mais diversas áreas das ciências e investigação, que se afirmaram publicamente contra a decisão do director do ICS de suspender a revista.

Apesar da suspensão, o director do ICS também chegou a dizer que o número 212 da Análise Social seria "novamente impresso, com todos os artigos programados para este número, à excepção do 'ensaio visual' em questão".

Porém, na passada sexta-feira, José Luís Cardoso do ICS enviou um e-mail à comunidade científica do instituto no qual afirmava que “o acto de suspensão reveste carácter preventivo e provisório e aguarda apreciação e deliberação do conselho científico”, na reunião marcada para esta sexta-feira. “É a este órgão de gestão que compete pronunciar-se sobre a orientação editorial da Análise Social”, acrescentava, numa atitude que foi lida na altura no ICS como uma porta aberta para voltar atrás na decisão.