Legionella: autoridades recomendam evitar duches, mas água pode ser consumida

Director-geral da Saúde recomenda às pessoas que optem por tomar banho sem duche e que evitem a "grande pressão" das torneiras até que a origem do surto esteja identificada.

Francisco George sublinhou que as pessoas não devem "ter receio de beber água"
Foto
Francisco George sublinhou que as pessoas não devem "ter receio de beber água" Pedro Cunha (arquivo)

O director-geral da Saúde, Francisco George, aconselhou neste sábado as pessoas a não tomar duches nem utilizar hidromassagens ou jacuzzi até que seja identificada a fonte da infecção por legionella, mas garantiu que é seguro consumir água da rede pública.

Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião de urgência das autoridades de saúde devido ao surto de legionella, que já causou 90 casos, a maioria dos quais no concelho de Vila Franca de Xira, o responsável disse que há medidas de prevenção "que podem ser tomadas desde já".

Uma vez que a contaminação ocorre por inalação da bactéria, que vive em meio aquático, deve ser evitada a formação de gotículas de água, mencionou, afirmando estar em causa "sobretudo [o concelho de] Vila Franca de Xira".

Francisco George disse que é preferível optar por banho sem duche e que deve ser evitada a "grande pressão" das torneiras.

Por outro lado, "a cabeça do duche pode ser submersa numa solução de água com lixívia, desde que tenha o odor próprio da lixívia", referiu.

Para quem tem termoacumuladores, a temperatura deve ser mantida acima dos 75 graus, porque a bactéria "não tem condições de crescimento" acima deste valor.

"Aqueles que utilizam hidromassagens, jacuzzi, até termos a fonte de infecção identificada, não devem" fazê-lo, avisou.

Francisco George sublinhou que as pessoas não devem "ter receio de beber água". "A água pode ser utilizada na cozinha, para beber. Esta infecção só se transmite de uma forma especialmente bizarra, só respirando a água pelas gotículas, pelos aerossóis", disse.

O director-geral da Saúde apelou ainda aos portugueses para que estejam atentos à informação sobre este assunto que é veiculada pelos órgãos de comunicação social de referência.

Sugerir correcção