Festival de Gastronomia tem novo figurino e aposta mais na divulgação de Santarém

De 17 de Outubro a 2 de Novembro, os visitantes poderão frequentar as 12 tasquinhas regionais e várias exposições.

Daniel Rocha
Foto
Daniel Rocha

O 34º. Festival Nacional de Gastronomia arranca já na próxima sexta-feira na emblemática Casa do Campino de Santarém. Uma organização conjunta da Entidade Regional de Turismo do Alentejo (ERTA) e da Câmara de Santarém, que não tem passado imune à crise e que, também por isso, adopta este ano um figurino diferente, com alguma contenção nas despesas e uma aposta maior na promoção do património histórico-cultural da capital ribatejana. Os organizadores vêem esta edição de 2014 como o “ano zero” de um novo ciclo e, já para 2015, querem aumentar o número de tasquinhas e reduzir os restaurantes presentes.

“O 34º. Festival Nacional de Gastronomia não pode ser igual à primeira edição. É importante manter a vertente da tradição. No entanto, procurámos nesta edição evoluir, dando-lhe uma imagem renovada, tendo como pano de fundo o turismo”, explica Ceia da Silva, presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo (ERTA). Sob o lema “Descubra Santarém enquanto prova Portugal”, o maior evento de divulgação da gastronomia portuguesa pretende, assim, funcionar também como mote para que os visitantes descubram a riqueza histórica e cultural de Santarém.

“Santarém possui enormes potencialidades. Recebe milhares de visitantes, não só durante o Festival Nacional de Gastronomia, mas também durante a Feira Nacional da Agricultura e, na época balnear, no Complexo Aquático Municipal. Mas muitos destes visitantes não percorrem a cidade, desconhecem um conjunto de monumentos situados em Santarém e nas freguesias do concelho. Há que mudar tudo isto. Projectar a cidade e o concelho é crucial”, defende o presidente da ERTA, frisando que “é necessário que o Festival Nacional de Gastronomia promova Santarém, que leve as pessoas a visitarem o certame e, ao mesmo tempo, a visitarem uma série de monumentos”, preconizou.

Nesse contexto, a edição 2014 do FNG não terá os almoços temáticos habituais, que serão substituídos pelo 1º. Salão Nacional do Vinho e por um conjunto de conferências agendadas para o salão nobre da Casa do Campino. Em foco vão estar temas como “Abril à Mesa” (dia 17), conversas (Im) prováveis (dia 24) e “Artes na Arte” (dia 31). Na primeira, por exemplo, falar-se-á do que se comia em Portugal há 40 anos, por alturas da Revolução de Abril.

De 17 de Outubro a 2 de Novembro, os visitantes poderão frequentar as 12 tasquinhas regionais, a exposição de produtos agroalimentares, o artesanato, as sessões de demonstração de confecção culinária, as apresentações e degustações de produtos regionais e as provas de vinhos. “Os restaurantes foram selecionados pelas entidades de turismo de cada região. Entidades que vão organizar dias temáticos. O facto do 34º. Festival Nacional de Gastronomia ter a duração de três semanas deve-se a um pedido dos proprietários dos restaurantes. Aceitámos o desafio, que servirá para avaliar qual a duração ideal para um evento desta natureza”, explica, por seu lado, Luís Farinha, membro do conselho de administração da Viver Santarém, empresa municipal escalabitana. O mesmo responsável acrescenta que não haverá espectáculos formais, mas principalmente pequenos apontamentos musicais e representações nos claustros e nas cavalariças da Casa do Campino. “Neste festival introduzimos algumas mudanças. O Festival tem vindo a cair de ano para ano, devido a uma série de factores. Gostaríamos, nesta 34ª. edição de ir mais longe, mas devido à reestruturação da empresa Viver Santarém não nos foi possível. Para nós, esta será a edição zero”, vincou.

Santarém vai ter novas rotas turísticas


Ceia da Silva revelou, na conferência de imprensa de apresentação deste 34º. Festival Nacional de Gastronomia, que estão a ser preparadas novas rotas turísticas para o distrito de Santarém (o Ribatejo foi integrado, há cerca de 1 ano na área da Entidade de Turismo do Alentejo). Entre elas, rotas dedicadas ao turismo náutico (Tejo), ao turismo equestre e ao turismo natureza. Serão, igualmente, lançados roteiros ligados ao cicloturismo, BTT e passeios pedestres. “É também nosso objectivo conceber rotas ligadas ao património, pois o património tem um peso determinante ao nível religioso”, prosseguiu, vincando que a ERTA foi a única região do País a candidatar-se ao Plano Estratégico do Quadro Comunitário de Apoio 2014/2020. Em 2015, a ERTA vai, igualmente, iniciar um processo de certificação dos restaurantes do Ribatejo.