Piscina desenhada por Souto Moura para São João da Madeira fica a 13% de ser executada

Comparticipação comunitária de 67 por cento não chega aos 80 estipulados para avançar com a obra. Projecto poderá ficar em banho-maria.

O projecto corre o risco de não sair do papel
Foto
O projecto corre o risco de não sair do papel DR

A piscina desenhada pelo arquitecto Souto Moura para São João da Madeira foi sempre apresentada pela câmara local como um novo paradigma neste tipo de equipamentos. O projecto inclui piscina para bebés, piscina de aprendizagem, pistas de 50 metros para treino, piscina de 25 metros e mais uma piscina lúdica e de reabilitação física com um jardim de Inverno. Mas o desenho do arquitecto, seleccionado entre 46 propostas que se apresentaram no concurso público internacional e que custaria 250 mil euros, poderá não sair do papel.

A comparticipação comunitária não chega aos 80 por cento estipulados para arrancar com a empreitada. Dos 4,5 milhões apresentados no concurso para co-financiamento de infra-estruturas desportivas, o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) apoia em três milhões, ou seja, uma ajuda de 67 por cento – ficando assim a 13 por cento do objectivo estipulado politicamente.

A câmara são-joanense não revela o que irá fazer, diz apenas, numa nota à imprensa, que “o assunto merece ser devidamente ponderado e analisado, atendendo à oportunidade e à importância do investimento em causa para cidade”. Não abre o jogo, mas volta a vincar os atributos da piscina de Souto Moura, indiciando que poderá não baixar os braços. “A nova piscina está projectada para proporcionar uma importante melhoria do serviço prestado aos cidadãos, maior eficiência energética, crescente sustentabilidade ambiental e financeira, oferecendo, ao mesmo tempo, uma área utilizável muito superior à da piscina actual, que tem já três décadas de existência”. Antes de avançar com o projecto, a autarquia solicitou estudos técnicos que lhe deram garantias que seria mais barato e vantajoso construir uma nova piscina do que intervir no actual equipamento.

O tema deverá ser analisado na próxima reunião de vereadores agendada para o final deste mês. O PS são-joanense não tardou a reagir, lamentando, em comunicado, a inviabilização do projecto, situação que, na sua opinião, é uma “perda para a cidade”.

“Este concurso do QREN vem defraudar fortemente as expectativas da cidade e dos são-joanenses em conseguir financiar este projecto em condições que o permitissem viabilizar, o que não é manifestamente o caso”, sublinha. O PS refere, por outro lado, que muito dificilmente se conseguiria cumprir os prazos estipulados, uma vez que a obra da piscina teria de estar concluída até 30 de Junho de 2015, quando o prazo de execução foi estipulado em 450 dias.

Nas contas feitas pela câmara, e caso o seu esforço financeiro fosse de 1,2 milhões de euros, o investimento municipal seria recuperado, no pior dos cenários, em cinco anos. Cálculos assentes nos ganhos de eficiência energética e numa maior capacidade de resposta à procura por parte dos utentes.

O PS apresenta agora outro timing baseado no estudo de viabilidade financeira que revela que a obra terá um custo superior a 5,7 milhões de euros. “O valor do investimento apenas se recuperará em mais de 18 anos, e não em cerca de seis como inicialmente era apontado”, observa, avisando que “a situação financeira do município em particular, e do país em geral, exige opções muito criteriosas dos investimentos a realizar para os próximos anos”.