Filipe Albuquerque dá brilho português às 24 Horas de Le Mans

O piloto lusitano corre pela Audi, uma das equipas favoritas a vencer a prova. Toyota e Porsche também deverão ter uma palavra a dizer.

Foto
Filipe Albuquerque DR

A partir das 15h deste sábado, os portugueses amantes do automobilismo terão razões acrescidas para acompanhar a par e passo os acontecimentos das 24 Horas de Le Mans, a mítica prova do Campeonato do Mundo de Resistência.

É que, este ano, há um português numa das equipas que são candidatas a ganhar a categoria principal da prova (Le Mans Protótipos 1): Filipe Albuquerque. O piloto correrá no terceiro Audi R18 da equipa oficial da marca alemã, juntamente com o italiano Marco Bonanomi e o britânico Oliver Jarvis e, apesar de ser ainda um estreante nestas andanças, dá mostras de partir para a prova com os índices de confiança em alta.

"Depois das centenas de quilómetros ao volante do R18, sinto-me completamente à vontade com a máquina. Fisicamente preparei-me exaustivamente para aguentar turnos de 3 ou 4 horas ao volante sem perder a rapidez e a concentração”, defendeu, em declarações à Agência Lusa, sublinhando que a participação nas 6 Horas de Spa-Francorchamps e as corridas do European Le Mans Series também foram um importante factor da sua preparação.

Quanto ao carro número 1 da equipa, será pilotado pelo vencedor de 2013, o dinamarquês Tom Kristensen, conhecido por "Sr. Le Mans", sendo que no mesmo veículo seguirão o brasileiro Lucas Di Grassi e o espanhol Marc Gené.

Ainda assim, tudo indica que a Audi não deverá ter vida fácil na luta pela vitória na categoria principal da terceira prova do campeonato, uma vez que tanto a Toyota como a Porsche prometem ser adversárias à altura. A marca japonesa venceu as duas primeiras provas (6 Horas de Silverstone e as 6 Horas de Spa-Francorchamps), ao passo que a marca alemã, que regressa a Le Mans depois de 16 anos de ausência – da última vez que participou, em 1998, saiu vitoriosa –  terá, certamente, uma palavra a dizer.

Certo é que os nipónicos já garantiram a pole position de hoje, com o TS040-Hybrid N.7 de Kazuki Nakajima. “Temos carro para nos batermos pela vitória. Se não cometermos demasiados erros, chegaremos ao fim da prova em condições de continuar a lutar”, garantiu Sébastien Buemi, que corre no Toyota N8, à France Press.

E se as maiores esperanças portuguesas recaem em Filipe Albuquerque, este não será o único trunfo lusitano na prova. Também Álvaro Parente (Ferrari 458 Italia) e Pedro Lamy (Aston Martin Vantage V8) estarão presentes, participando, no entanto, em duas categorias menores: LM GTE Pro e LM GTE Am, respectivamente.

Para o portuense Álvaro Parente, que correrá num Ferrari 458 Italia da classe LM GTE Pro, tratar-se-á igualmente de uma estreia. Talvez por isso o português prefira ir traçando, para já, objectivos mais comedidos. "Queremos andar depressa, imiscuir-nos entre as equipas oficiais e alcançar um bom resultado, mas antes mais de mais temos que terminar", assinalou.

Já Pedro Lamy quer repetir a vitória de 2012 na categoria LM GTE Am. " Será como uma corrida de 'sprint', mas com 24 horas de duração. Teremos que ter um carro rápido, mas ao mesmo tempo fiável e tentar não ter qualquer problema", ressalvou, ainda assim, o piloto da Aston Martin.

Quem também estará presente na prova é o conhecido piloto de Fórmula 1 Fernando Alonso, mas apenas para dar a partida. Um dado curioso relativamente à edição deste ano, a 82ª, é que, naquilo que parece ser uma prova de que tem havido uma crescente preocupação no sentido de tornar os carros mais amigos do ambiente, sete dos nove carros na categoria principal serão híbridos (combinam motores diesel ou a gasolina e motor eléctrico) de alta tecnologia, uma característica que não se repercutirá na rapidez da corrida – os veículos poderão atingir velocidades de 330 km/hora. com agências