Damm e Luxempart deixam administração da Pescanova

Controlo da empresa passa para as mãos da banca credora. Acordo evita liquidação.

Foto
Pescanova tem uma unidade de aquacultura em Mira Adriano Miranda

Os bancos credores estão actualmente à procura de parceiros industriais que os acompanhem no objectivo de salvar a empresa, papel que inicialmente deveria ser assumido pela Damm, até que surgiram discordâncias com as instituições financeiras.

Depois do apoio maioritário ao convénio, a banca assumiu o controlo do grupo e os bancos Sabadell, Popular e CaixaBank tornaram-se os principais accionistas, já que controlam a maior parte do passivo, cerca de 590 milhões de euros, após a capitalização da dívida.

Depois de receber a aprovação do juiz, o acordo, que não altera o montante do "hair-cut" na dívida, dá agora um papel de liderança às instituições financeiras.

Assim, os bancos credores vêem cumpridas as suas exigências, incluindo a da recuperação de um terço do passivo da Pescanova, ou cerca de 1.000 milhões de euros, acima dos 700 milhões que defendia o bloco de accionistas liderado pela Damm e Luxempart.

De acordo com a proposta apresentada à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, as instituições financeiras assumem os termos da oferta de financiamento, com as alterações no valor do crédito de apoio à empresa, no valor de 125 milhões de euros.

A proposta inicial dos bancos credores (Sabadell, Popular, CaixaBank, Bankia, Novagalicia, BBVA e UBI Banca) para recuperar a empresa incluiu uma injecção de capital de 125 milhões de euros e a capitalização de 2.000 milhões de euros de dívida, o que representa um "hair-cut" de cerca de 60% do passivo.


Sugerir correcção
Comentar