Três “filhas de Auschwitz” vão garantir sombra e memória em Vila Real

Ex-aluno doou à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro exemplares de carvalhos que germinaram de bolotas que ele colheu do chão do campo de concentração nazi, na Polónia.

Olhando para ela, ninguém diria. De tronco assim estreito, uma única folha no topo, a lembrar o Inverno que acabou, não parece filha de quem é, esta árvore adolescente em aclimatação ao ambiente de Vila Real. A mãe, enorme e frondosa, sobreviveu, à entrada do Campo I de Auschwitz, na Polónia, a tudo o que por ali testemunhou, durante a Segunda Guerra Mundial. A filha tem mais sorte, graças a um descendente de judeus que a apanhou do chão porque achou que valeria a pena trazer algo com vida de um lugar associado ao ódio, à morte, ao extermínio.

Esta é a história de Ismael Ventura da Silva e do filho Leon. Mesmo que o primeiro queira que seja apenas a história de um carvalho e das filhas deste, as filhas de Auschwitz. Nada do que esta segunda-feira acontecerá na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) seria possível se Ismael, brasileiro a viver Portugal desde 1999, não tivesse parado debaixo daquela árvore, no mês de Setembro de 2006, ao segundo dia de visita aos dois campos daquele complexo. Nada seria possível, se o silêncio com que procurava compreender toda aquela desumanidade não tivesse sido interrompido pelo som de algo a cair no chão.

“Eu nem sabia que era um carvalho. Estava apenas ali, à sombra. E ouvi: pec, pec, pac. Aí olhei em volta e o chão estava cheio de bolotas. Foi quando pensei: E se eu levasse daqui, deste lugar de morte, algo com vida, e o plantasse em Portugal. Comecei então a estar mais atento, esperando aquelas que caíam no chão naquele momento, para garantir que trazia sementes vivas. Trouxe mais de vinte”, explica este engenheiro químico que se licenciou na UTAD, em Vila Real, cidade onde, durante os meses seguintes, aquela memória viva de um campo de concentração ficou simplesmente guardada.

Graças aos conselhos de um amigo de Chaves, um dia Ismael colocou finalmente aquelas sementes em vasos. Várias germinaram. Duas das pequenas plantas seguiram para norte, como agradecimento pelas indicações amigas. As outras ficaram na sua casa onde ostenta, no umbral, um Mezuzah, objecto contendo um pergaminho que marca a presença de judeus. Lá dentro, o Menorah, o famoso candelabro de sete braços, não o deixa esquecer também essa relação com uma religião que diz não praticar. Ainda que à noite reze num hebraico rudimentar; ainda que diariamente lave os braços e as mãos de uma forma ritualizada, como o pai, o português Sr. Ventura, lhe ensinou, no Brasil para onde emigrara.

“É uma questão cultural, de identidade”, justifica-se este homem culto, dono de uma empresa de cosméticos. Ele que se lembra de como a avó, nas vésperas do sábado, acendia velas dentro de tachos, como que temendo ser identificada por alguém na vizinhança. Era o espectro das perseguições, das conversões forçadas em Portugal, de um ódio “de séculos” na Europa, que culminou com os  trágicos eventos cuja memória está bem viva em Auschwitz. “Eu não digo que aquela é uma viagem obrigatória. Mas para mim era. Planeei-a durante muitos anos”, diz. Quando o filho, que vive no Brasil, fez quinze anos, achou que era o momento. “Ele já era capaz de compreender”. E foram. Como numa “peregrinação”.  

Viram o grau zero da humanidade. Sapatos de quem já não fez o caminho de regresso das enormes câmaras de gás. Milhares de óculos e lentes testemunhando em hipérbole a cegueira humana. Estarreceram sob o peso do que estava à sua frente. E então, ao segundo dia, no Campo I, ao passarem o portão que leva inscrito a ferro a mais cínica ironia dos tempos modernos – o trabalho liberta – aconteceu-lhes aquele pequeno milagre que ele descreve em cadentes onomatopeias. “Pec, pec. Pac”. Vida, como que acordando-o do pesadelo, e pedindo para entrar.

Para além das duas plantas que viajaram para Chaves, ele ficou com sete ou oito pequenos rebentos, filhos daquele carvalho, em casa. Mas ele que de árvores nada percebia, deixou morrer algumas e temeu pelas restantes, aos primeiros sinais de algo que não passava de uma clorose. O diagnóstico é de António Crespi, conservador do herbário da UTAD, que Ismael contactou. “Eu não estava a tratar muito bem delas”, garante Ismael, que perguntou ao amigo se não queria ficar com elas, levá-las para o campus que é um jardim botânico entre edifícios e estudantes a passar. E Crespi aceitou, agradecido.  

As plantas contam histórias
“O meu pai tem uma quinta aqui, na aldeia. E eu podia ter plantado lá as árvores. Mas não vale a mesma coisa. Eu não as trouxe para ficarem comigo. Eu trouxe-as porque queria que saísse daquele lugar alguma coisa com vida, produto daquele lugar, algo que tivesse sigo gerado ali dentro. Porque ali, tudo o que entrou...é dramático”, justifica-se Ismael, que viu sobreviverem três das plantas com as quais ficara.

“As plantas do jardim contam histórias. E a que contam estas plantas é uma história fantástica, formidável, sobre como se pode ultrapassar a vergonha do ser humano. Nós temos de saber ouvir as plantas e dar-lhes sentimento”, vinca António Crespi sem esquecer os dias que correm, e o risco de uma guerra que paira, acreditam ambos, de novo sobre a Europa. No dia anterior, em entrevista ao PÚBLICO, a propósito dos acontecimentos na Ucrânia, Kasparov avisava que estamos a um passo de regressar a 1939, o ano em que última Grande Guerra começou. “Parece que não aprendemos nada, tão grande é a estupidez humana”, queixa-se o botânico.

Felizmente há as plantas. Crespi diverte-se com elas como quem se diverte com uma criança, no caso a filha de Auschwitz que aguardava, na semana passada, em vaso, o transplante para um sítio definitivo. “É uma adolescente, e tem uma personalidade difícil. No ano passado apeteceu-lhe fazer uma birra, e teve poucas folhas. Mas está quase pronta para engravidar”, descreve o conservador do herbário, observando o tronco e acrescentando que o problema de uma planta como esta é que, sendo um Quercus robur, como outros no jardim, “não reconhece os parentes”. As folhas mortas exibem a diferença, na foma mais alargada e nos lóbulos mais arredondados, mas é dificil, a um leigo, imaginar que isso chega para gerar desconforto com tão pataca e verde vizinhança.

Os genes da sobrevivência
Para que ela “não se sinta só”, Crespi, um homem que fala de plantas como quem fala de gente, promete levar-lhe o pólen das irmãs, para que não se fecunde, “triste”, consigo própria. As irmãs já estão no seu sítio definitivo, a colecção de fagáceas, cheias de familiares do género Quercus, e parecem ter trazido, da Polónia, genes de resistência à morte. Mesmo envolvida numa rede, uma delas foi alvo do apetite insaciável de um burro, inadvertidamente deixado ao seu lado. Quase desapareceu, mas estava de tal forma enraizada - os carvalhos podem ter raízes cinco vezes maiores do que a copa, explica Crespi - que rebentou de novo. Nova provação, foi alvo da incúria de um funcionário que a deixou com dez centímetros, ao passar-lhe um corta-sebes. Mas está lá, com botões prestes a rebentar de novo.

Hão-de viver ali muitos anos, centenas, se deixarem. “Talvez sobrevivam à UTAD”, ironiza o académico, notando que as angiospérmicas tornaram-se árvores, ao longo da evolução, “por infinita paciência”. “Os carvalhos são árvores muito resistentes. Estão habituados a viver com pouco”, argumenta. Crespi explica ainda que os antepassados destas árvores são as urtigas, e que ainda hoje se desconhecem todos os Quercus que há por aí. Por causa de uma propensão para um certo isolamento e diferenciação, continua, “nos últimos cinco mil anos criaram-se milhares de espécies de carvalhos”. E é por isso que o Quercus robur gerado a partir das bolotas de Ismael não se dá com o homónimo português, de nome comum alvarinho.

Aportuguesada graças a um esforço de aclimatação ao ambiente de Vila Real, a última das filhas de Auschwitz passa esta segunda-feira para o seu lugar definitivo. Não vai para a colecção das Fagáceas, como as irmãs. Crespi pediu, e o reitor da UTAD viu com bons olhos que ela fosse cerimonialmente plantada à direita do principal portão da universidade. Ficando, no campus, na mesma posição que a mãe ocupa no campo de concentração.

“É uma forma de, neste paralelo, vincarmos a diferença entre um lugar que fica para sempre associado ao ódio e à morte, e este outro, que é um espaço de tolerância, de conhecimento. De vida, no fundo”, justiça António Crespi. Ismael, que prepara um regresso à Polónia com a filha mais nova, vai lá estar. Agradecido por este gesto que permitirá que quem ali passe não esqueça.