O Desp. Aves ainda susteve o Sp. Braga até ao prolongamento

Os bracarenses venceram por 3-1 e garantiram presença nas meias-finais da prova. O próximo adversário é o Rio Ave.

Foto

Durou 120 minutos o sonho do Desportivo das Aves, que lutou em Braga até ao limite das forças para garantir uma presença inédita nas meias-finais da Taça de Portugal. Falaram mais alto a qualidade e a experiência do Sp. Braga, que resolveu no prolongamento (3-1) um problema bicudo e assegurou um embate com o Rio Ave na próxima eliminatória.

Dificilmente o jogo poderia ter começado melhor para o Sp. Braga. Aos 3 minutos, Bruno Paixão descortinou uma carga de Vasco Matos sobre Pardo na grande área e apontou para a marca de grande penalidade. Alan não desperdiçou a oportunidade.

Os bracarenses tinham o mote ideal para afastar a aura negativa causada pela derrota frente ao Belenenses, no fim-de-semana, para o campeonato, mas acabaram por ser os seus maiores inimigos.

Mérito também para o Desp. Aves, que não se desmoronou e não abdicou da estratégia. O contra-ataque era a palavra de ordem e a velocidade o instrumento preferencial para chegar com perigo à área de Eduardo.

E foi dela que Vasco Matos fez uso aos 29' para se redimir do lance da grande penalidade. Fugiu a Baiano, caiu dentro da área e desta vez ganhou um castigo máximo. Na conversão, Pedro Pereira atirou para a esquerda, Eduardo caiu para a direita.

Com a igualdade reposta, o Desp. Aves ganhou fôlego. Foi fechando os espaços como pôde, obrigando o adversário a circular a bola, a maior parte das vezes longe da baliza. E foi com as operações controladas que foi sustendo o Sp. Braga, minuto após minuto, lance após lance, até ao final do tempo regulamentar.

Quim, de regresso a uma casa que conhece como a palma da mão, até tinha ganho um duelo a Rusescu em cima dos 90'. No arranque do prolongamento, no entanto, não teve a mesma sorte. A bola surgiu na pequena área, após um canto, e o avançado romeno desviou para a baliza.

Tal como no arranque da partida, o Desp. Aves voltava a ter uma entrada em falso. Só que, desta vez, já não teve forças para recuperar. Já com Rafa em campo (o holandês Leandro Kappel jogou de início), o Sp. Braga carregava a bola com mais perigo até à área e os visitantes sentiram mais dificuldades em preencher os espaços.

Aos 103', a eliminatória ficou resolvida, quando Aderlan Santos saltou mais alto que a concorrência após um livre de Alan e aproveitou uma má saída de Quim para cabecear para a baliza deserta.

Por essa altura, restava apenas saber qual a dimensão final da derrota do Desp. Aves, que ainda dispôs de uma boa oportunidade para reduzir, por Jaime Poulson. O vencedor, esse, já estava encontrado. Segue-se um duelo com o Rio Ave, com a primeira mão marcada para 26 de Março.