Relógio do CDS que indica data de saída da troika está errado

Os credores internacionais deverão deixar o país a 17 de Maio. Os dias no relógio apontam para o mês seguinte.

Paulo Portas com mais poderes no Governo de Passos Coelho
Foto
Paulo Portas foi contratado pela Mota-Engil Nuno Ferreira Santos

O relógio na sede do CDS, inaugurado no mês passado pelo vice-primeiro-ministro Paulo Portas para fazer uma contagem decrescente para a saída da troika de Portugal, falha a data por um mês, noticiou o Jornal de Negócios.

Segundo o Jornal de Negócios, pelas contas ao número de dias assinalados no relógio, o trio de credores internacionais só deixaria o país a 17 de Junho. A data prevista, porém, é 17 de Maio.

O relógio digital foi inaugurado por Portas a 15 de Dezembro, no encerramento do XX Congresso Nacional da Juventude Popular. Foi depois transferido para o Largo do Caldas, em Lisboa, onde está a sede do CDS.

Ouvido por aquele jornal, o líder da Juventude Popular, Miguel Pires da Silva, afirmou que o erro terá acontecido quando o relógio foi ligado novamente após ter sido transportado para Lisboa.