Novo radar meteorológico da Madeira a funcionar no Outono de 2015

Investimento será superior a 3,6 milhões de euros, será instalado no Pico Espigão e tem comparticipação de fundos europeus

Foto

O director do Observatório Meteorológico do Funchal, Vitor Prior, disse este sábado que o novo radar meteorológico da Madeira, cujo projecto foi aprovado esta semana, deverá estar instalado e a funcionar no Outono de 2015.

"Estamos a concluir o caderno de encargos, no primeiro trimestre de 2014 será lançado o concurso público internacional e espero que no Outono de 2015 esteja instalado e a funcionar", afirmou Vitor Prior à agência Lusa.

O radar meteorológico representa um investimento superior a 3,6 milhões de euros, será instalado no Pico Espigão, na ilha do Porto Santo, e foi aprovado a 16 de Dezembro no âmbito do Programa Operacional de Valorização do Potencial Económico e Coesão Territorial da RAM (Intervir +).

Segundo a informação divulgada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o projecto será comparticipado em 85% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, sendo a participação nacional (15%) assegurada através de receitas orçamentais atribuídas ao IPMA.

O responsável do Observatório Meteorológico do Funchal realça a importância da região dispor deste instrumento que "permitirá fazer uma melhor vigilância do estado do tempo em situações graves como as que têm ocorrido nos últimos anos de precipitação intensa".

Sobre a instalação do radar, a mesma informação do IPMA destaca que "após a avaliação potenciais localizações" foi escolhido Pico Espigão na ilha do Porto Santo "por permitir a melhor vigilância meteorológica da Região Autónoma da Madeira".

Realça que o sistema de radar meteorológico permitirá "melhorar a qualidade e disponibilidade dos serviços meteorológicos, em particular ao Serviço Regional de Protecção Civil e população em geral, nos domínios da vigilância meteorológica e hidrometeorológica".

O Instituto adianta que vai "utilizar as observações de radar na assimilação de modelos de previsão numérica do tempo, com reflexos na melhoria do seu desempenho e, consequentemente, na melhoria da qualidade da previsão meteorológica".

Para o IPMA, outro benefício advém do facto de o radar "constituir uma infra-estrutura científica e tecnológica na RAM, susceptível de potenciar a criação de sinergias com outras instituições, nomeadamente com a Universidade da Madeira (UMa) e o Laboratório Regional de Engenharia Civil (LREC)".

O projecto de instalação do radar meteorológico na Madeira começou a ser discutido em meados dos anos 1980.

Em termos de localização, inicialmente foram apontados o Pico do Facho e o Pico Castelo, ambos no Porto Santo (o primeiro está hoje ocupado pelo radar da NAV de apoio aeronáutico e o segundo é de difícil acesso), bem como o Pico do Areeiro, na Madeira, (onde está o radar militar de defesa aérea).

A importância do radar da Madeira foi sobretudo suscitada após o temporal de 20 de Fevereiro de 2010, que provocou 43 mortos, seis desaparecidos e 1.080 milhões de euros de prejuízos na região.