Câmara do Porto mostra cidade acessível, inacessível e assim-assim

Município construiu, nos últimos três anos, um mapa da acessibilidade, numa área em torno de troços da rede de metro.

No portal, o mapa indica se o percurso tem obstáculos, como por exemplo passeios sem rampas
Foto
No portal, o mapa indica se o percurso tem obstáculos, como por exemplo passeios sem rampas Paulo Pimenta

A Câmara do Porto vai apresentar, nesta terça-feira, um novo serviço online que permite saber, em algumas zonas da cidade, que tipo de obstáculos irá encontrar um cidadão com mobilidade reduzida. “É uma espécie de Google Maps da acessibilidade”, brinca a provedora do Cidadão com Deficiência do município, Lia Ferreira.

O Portal do Sistema de Itinerários Acessíveis (SIA) vai ser apresentado durante um seminário sobre Espaço Público para Todos, que vai decorrer no Teatro do Campo Alegre e que se realiza no âmbito do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. Construído ao longo dos três últimos anos e apoiado por fundos europeus, o SIA está disponível em http://sia.cm-porto.pt e permite realizar duas tarefas simples – consultar um mapa da cidade e simular trajectos, dentro da zona mapeada, mostrando quais as dificuldades que irá encontrar pelo caminho, em termos de acessibilidade.

É uma ferramenta que, por enquanto, não cobre toda a cidade. João Pestana, da divisão municipal de planeamento e ordenamento do território, que coordenou todo o projecto, explica que, nesta primeira fase, o metro foi a espinha dorsal da informação recolhida: “Identificamos as estações entre a Casa da Música e Campanhã e entre S. Bento e o Hospital de S. João e, a partir destes locais, seleccionamos uma área com 500 metros de raio, onde localizamos todos os edifícios públicos que lá existiam. A partir daqui procuramos os caminhos óbvios entre dois pontos e identificamos os obstáculos existentes.”

Exemplo simples: entrando na página do SIA, que estará também disponível através do site da autarquia, vai encontrar a opção “calcular itinerário”. Seleccione, por exemplo, o trajecto da estação de metro de S. Bento até ao Gabinete do Munícipe (por enquanto não lhe será possível inserir moradas, tendo que cingir-se às que já estão pré-definidas no site) e ser-lhe-á apresentado o trajecto que mais lhe convém, além das dificuldades que poderá encontrar, além de informação sobre o acesso do próprio edifício onde pretende deslocar-se.

A acessibilidade está organizada segundo um sistema de cores – o trajecto aparecerá a verde se for plenamente acessível, a vermelho se não o for e a laranja, se tiver alguns obstáculos -, mas Lia Ferreira afirma que o site está também “disponível para ser consultado por cegos e daltónicos”. Os resultados do levantamento, além de estarem agora disponíveis ao público numa aplicação prática, servirão também de instrumento de trabalho aos serviços camarários. “Chegamos à conclusão que uma grande área do espaço analisado já está requalificada. Há grandes troços assinalados a verde e alguns troços vermelhos que, com alguma intervenção, podem passar a verde. Esperamos que, no futuro, a informação sirva para que a câmara possa, por exemplo, ao discutir o orçamento, estimar uma verba para as áreas identificadas a vermelho e que são prioritárias”, explica a provedora.

Em termos viários, as maiores dificuldades identificadas na cidade têm a ver com a ausência de passeios rebaixados (embora 47% deles já tenham sido corrigidos), a falta de rampas e – o maior dos problemas – o perfil das próprias ruas. “A nossa grande dificuldade é o dimensionamento das ruas. Há ruas tão apertadinhas que é difícil incluir um passeio com as dimensões que devem ter para passar uma cadeira de rodas e ainda deixar a área necessária à circulação automóvel”, diz Lia Ferreira.

No futuro, Lia Ferreira e João Pestanas têm a expectativa de poder alargar a área incluída no SIA e, também, de conseguir novo apoio comunitário que permita corrigir os problemas já encontrados nas ruas e edifícios públicos da cidade. A possibilidade de poder disponibilizar, também, informação sobre os edifícios privados – lojas ou hotéis, por exemplo – é outra das aspirações da provedora, mas ainda sem data para se concretizar.

 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações