Torne-se perito

Tabagismo foi responsável pela morte de 29 pessoas por dia em 2012

Doenças associadas ao tabaco na origem de 10% da mortalidade anual da população adulta em Portugal. Consumo nos bares e restaurantes aumentou, ao contrário do que aconteceu nos outros países da UE.

Foto
Em 2012, o tabaco matou em média 29 pessoas por dia em Portugal Pedro Vilela

São números impressionantes. A Direcção-Geral da Saúde (DGS) estima que no ano passado o tabaco tenha sido responsável pela morte de cerca de 10.600 pessoas. São 29 pessoas por dia, nada mais nada menos do que 10% da mortalidade anual na população com 30 ou mais anos. Numa altura em que a revisão do lei do tabaco foi adiada para 2014, fica a saber-se que há dados que apontam para um aumento do número de fumadores nos últimos cinco anos. A Lei do Tabaco entrou em vigor em 2008.

“De acordo com o último Inquérito Nacional de Saúde (2005-2006), na população com idade igual ou superior a 15 anos, eram fumadores 20,9% dos inquiridos. Dados mais recentes, embora não comparáveis, revelam uma prevalência de fumadores de 23%, 32% homens e 14% mulheres” nesta população. A evolução é destacada numa nota esta segunda-feira divulgada pela DGS, na véspera da apresentação do relatório Portugal – Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2013.

Outro fenómeno que preocupa as autoridades de saúde tem a ver com o consumo de tabaco no interior de bares e restaurantes. Diz a DGS que “parece ter sofrido um aumento entre 2009 e 2012, contrariamente ao observado na União Europeia a 27, o que pode indiciar insuficiência das medidas legislativas”.

A crise económica também poderá ter alguma influência. Os desempregados e as pessoas com maiores dificuldades económicas fumam mais, refere a nota, que sublinha também que o nível de preço dos produtos de tabaco em Portugal se situa abaixo da média europeia, “tendo registado um ligeiro decréscimo entre 2009 e 2012”. Um fenómeno difícil de entender quando os especialistas têm sistematicamente frisado que o aumento do preço do tabaco é a medida que habitualmente tem mais impacto na redução do número de fumadores.

A DGS acentua a necessidade de rever a Lei do Tabaco para promover uma redução sustentada do consumo, em particular nos jovens. É que mais de 90% dos fumadores começaram a fumar antes dos 25 anos. “Dos alunos com 18 anos, de ambos os sexos, cerca de dois terços fumaram pela primeira vez entre os 13 e os 16 anos”, refere a nota. Embora num horizonte de 10 anos, entre 2001 e 2011, a experimentação do tabaco entre os adolescentes pareça ter diminuído, entre 2006 e 2011 registou-se uma subida da percentagem de adolescentes que já experimentaram fumar, que o fizeram no último ano ou nos últimos 30 dias, acrescenta.

O sabor, o preço  e a marca são os factores que mais influenciam a escolha do tabaco e mais de oito em cada dez fumadores iniciaram o consumo devido à influência dos amigos.

Em relação aos avisos de saúde impressos nos maços de tabaco, a DGS conclui que tiveram um impacto em cerca de metade dos fumadores e ex-fumadores portugueses. Sobre o tratamento da dependência do tabaco, refere que mais de metade dos fumadores portugueses nunca fizeram qualquer tentativa para deixar de fumar.

A nova lei sobre o tabaco, que deverá ser aprovada no próximo ano após a conclusão de uma directiva europeia sobre a matéria, vai proibir o consumo de tabaco em todos os espaços públicos fechados e aumentar o espaço destinado aos avisos de saúde nos maços de tabaco. Com Lusa
 
 
 

Sugerir correcção