Inflação homóloga caiu para terreno negativo em Outubro

Ameaça de deflação volta a ganhar força em Portugal.

Fotogaleria
Fotogaleria
Empresas estão sem margem de manobra para subir preços

A taxa de inflação homóloga em Portugal caiu em Outubro para -0,2%, o valor mais baixo desde 2009 e uma confirmação das pressões descendentes para os preços que se fazem sentir actualmente na economia.

De acordo com os dados publicados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, o maior contributo para a queda dos preços em Outubro face ao mesmo mês do ano passado veio da classe de produtos denominada por "transportes", onde a inflação homóloga foi de -4,1%. Em especial, os preços dos combustíveis e lubrificantes apresentaram uma descida acentuada.

Assim, para todos os produtos, passou-se de uma inflação homóloga de 0,1% em Setembro para -0,2% em Outubro. Já a inflação homóloga subjacente, que exclui os mais voláteis produtos alimentares não transformados e energéticos) passou de 0,3% em Setembro para 0,2% em Outubro.

A taxa de inflação média dos últimos doze meses acentuou a tendência de descida e passou de 0,8% em Setembro para 0,6% em Outubro. É previsível, tendo em conta o actual nível da inflação homóloga, que a inflação média continue a descer nos próximos meses.

A entrada da inflação homóloga portuguesa em terreno negativo é um resultado que já se vinha a antecipar devido à tendência registada nos últimos meses. Para além da evolução negativa dos preços dos produtos energéticos, a manutenção do país numa situação de recessão e os cortes no rendimento disponível das famílias fazem com que uma grande parte das empresas não tenha margem de manobra para subir preços sem sentir uma perda imediata de quota de mercado interno.

Mas se a descida dos preços é uma boa notícia para quem está a ver o seu rendimento também a cair, também é verdade que pode constituir um risco para a evolução de toda a economia. Se a situação de inflação negativa que agora se iniciou se mantiver por um período prolongado, sem expectativas de inversão da tendência à vista, a economia portuguesa corre o risco de entrar numa situação de deflação. Nesse caso, a baixa de preços faz com que as famílias adiem os seus consumos e as empresas recuem nos investimentos, tornando a saída da recessão ainda mais difícil.

Mesmo ao nível da zona euro, onde a inflação homóloga terá ficado em 0,7% em Outubro, a ameaça de deflação está a ser levada muito a sério. Na semana passada, o Banco Central Europeu (BCE) surpreendeu os mercados ao baixar a sua taxa de juro de refinanciamento de 0,5% para 0,25%. O objectivo de Mario Draghi e os seus pares é precisamente limitar os riscos de uma queda da economia da zona euro numa situação de deflação semelhante à vivida pelo Japão a partir dos anos 90 do século passado.

Na zona euro, são os países classificados como periféricos que estão, devido à quebra acentuada que se registou nas suas economia, que estão mais ameaçados. A Grécia já está há oito meses com uma taxa de inflação homóloga negativa. Portugal passou agora a fazer-lhe companhia.
 
 

Sugerir correcção
Comentar