Presidente da Caritas fala em governação para "clientelas e grupo corporativos fortes"

Eugénio Fonseca sublinha que Portugal está "num período em que falta o dinheiro”.

Foto
Eugénio Fonseca deixa mesmo o conselho ao Governo que reveja as decisões anunciadas

Segundo Eugénio Fonseca, "muitas vezes se governou para clientelas, para grupos corporativos fortes, que foram altamente favorecidos, beneficiados. Basta ver que até o Orçamento de Estado que está apara aprovar tem cortes preconizados para determinadas classes, mas dispensa outras que estão no mesmo regime da Função Pública. Isto é inadmissível”.

"O que nos falta a todos é esse sentido do bem comum. Se assim fosse, talvez alguns quisessem renunciar às duplas reformas que têm, talvez aceitassem baixar agora os lautos rendimentos que têm", frisou o presidente da Cáritas, depois de assistir à conferência do cardeal José Policarpo, "Caridade é a fé em acção", em Setúbal.

Questionado pela Lusa, Eugénio Fonseca refutou a ideia de que os cortes nos rendimentos mais elevados, por abrangerem um universo muito mais reduzido, possam ser irrelevantes para o Orçamento de Estado.

"Gota a gota se fazem os oceanos. Isso é uma falsa questão. Não percebo como é que as `migalhas´ do RSI (Rendimento Social de Inserção) foram consideradas tão importantes, ao mesmo tempo que se considera que as `migalhas´ dos mais ricos não são tão significativas", argumentou.

Eugénio Fonseca sublinha que Portugal está "num período em que falta o dinheiro”.

“Não sei é se temos feito bem a geografia financeira para ir buscar o dinheiro onde ele está de facto e, sobretudo, para o ir buscar onde ele foi colocado indevidamente", acrescentou.