Morreu Lou Reed, o poeta do rock

Foi um dos mais inventivos e influentes criadores da música popular norte-americana. As causas da morte, aos 71 anos, ainda não foram divulgadas.

Fotogaleria
Andy Warhol. Screen Test: Lou Reed (1966). 16mm film (black and white, silent). 4 min. at 16fps 2010 The Andy Warhol Museum
Fotogaleria
Concerto na Expo 98, em Lisboa Bruno Rascão
Fotogaleria
Na estreia de "Le Comte Ory" na Metropolitan Opera, Nova Iorque, em Março de 2011 REUTERS/Lucas Jackson
Fotogaleria
Concerto em Portugal, em Setembro de 2000 Miguel Madeira
Fotogaleria
Em Julho de 2008, durante um concerto na praça de touros do Campo Pequeno, Lisboa Mafalda Melo
Fotogaleria
Em Barcelona, em Outubro de 2008, durante o festival internacional de literatura REUTERS/Gustau Nacarino
Fotogaleria
Em Julho de 2008, durante um concerto na praça de touros do Campo Pequeno, Lisboa Mafalda Melo
Fotogaleria
Em 2004, em Santiago de Compostela, Espanha Miguel Vidal/Reuters
Fotogaleria
Concerto no Parque das Nações, em Lisboa, em 2009 Miguel Madeira
Fotogaleria
Em Nyon, na Suíça, em Abril de 2010, durante a apresentação do seu primeiro filme "Red Shirley" REUTERS/Denis Balibouse
Fotogaleria
Durante um concerto em Hamburgo, Alemanha, em 1996 Oliver Soulas/Reuters
Fotogaleria
Concerto na Expo 98, em Lisboa Bruno Rascão
Fotogaleria
Em Abril de 2003, por ocasião do lançamento de "NYC Man - The Ultimate Lou Reed Collection" DR
Fotogaleria
Concerto em Coimbra, em Julho de 2003 Carla Carvalho Tomás
Fotogaleria
Em Outubro de 2007, durante a inauguração da exposição Lou Reed Nova Iorque na Serieuze Zaken Studioos, Amesterdão OLAF KRAAK/AFP
Fotogaleria
Em Lisboa, em Julho de 2008, a celebrar o 35º ano depois do lançamento de "Berlim" José Manuel Ribeiro/Reuters
Fotogaleria
Com Laurie Anderson, em Nova Iorque, em 2011 REUTERS/Lucas Jackson

Compositor, cantor, guitarrista, líder dos Velvet Underground, Lou Reed, um dos mais inventivos e influentes criadores da música popular americana da segunda metade do século XX, morreu este domingo aos 71 anos em Long Island, Nova Iorque. As causas da morte ainda não foram divulgadas, mas é provável que não sejam alheias ao transplante de fígado a que o músico nova-iorquino se submeteu em Maio.

Os últimos 50 anos de música rock seriam algo bastante diferente sem ele, algo que só poderia dizer-se com idêntica propriedade de um conjunto muito restrito de músicos. No final dos anos 1960, com os Velvet Underground, Lou Reed, diz o seu obituário na revista Rolling Stone, “casou beleza e barulho, ao mesmo tempo que trazia toda uma nova honestidade lírica ao rock’n roll”.

Nascido em Brooklyn em 1942, Reed começou a compor canções no final do liceu, mas o percurso que o tornaria um ícone do rock só se inicia verdadeiramente quando conhece John Cale, um músico de formação clássica, natural do País de Gales, que chegara a Nova Iorque em 1963. Com Cale, Lou Reed funda a banda The Primitives, que tem algum sucesso em 1964 com o tema The Ostrich, uma paródia à música de dança.

Os The Primitives são depois rebaptizados The Warlocks. E quando se juntam ao grupo o guitarrista Sterling Morrison e o percussionista Angus Maclise, nasceu não apenas uma nova banda, mas, na opinião de alguns críticos, a melhor banda de rock de todos os tempos: os Velvet Underground. O grupo não teve grande sucesso comercial nos anos 1960, mas alguém já observou que muitos dos jovens que ouviram o seu álbum de estreia, em 1967, The Velvet Underground & Nico, correram a criar as suas próprias bandas.

Quase não há um tema nesse primeiro álbum, produzido por Andy Warhol, que não seja hoje um clássico da música pop, de I’m waiting for the man e Venus in furs a All tomorrow’s parties ou aos sete minutos de Heroin. O grupo durou pouco (Cale saiu logo em 1968), mas a sua influência perdura até hoje.

Com o fim dos Velvet em 1970, Reed parte para o Reino Unido, onde grava um disco com músicos dos Yes. Mas é com o disco seguinte, Transformer, produzido por David Bowie, que se torna uma estrela incontestável do firmamento rock. O tema Walk on the wild side torna-se um sucesso, mas o disco inclui outras canções justamente célebres, como Perfect day ou Vicious.

Nas décadas seguintes, Lou Reed vai sempre inovando, e muitas vezes driblando as expectativas dos seus fãs, num trajecto que inclui álbuns como Berlin (1973), o experimentalista Metal Machine Music (1975), Blue Mask (1982), New Sensations (1984), New York (1989) ou o recente Hudson River Wind Meditations, de 2007. Lou Reed era casado desde 2008 com a compositora e música Laurie Anderson.