Barbosa de Oliveira quer arquitecto Souto de Moura a recuperar centros históricos de Sintra

Candidato independente a Sintra

O candidato independente à Câmara de Sintra Barbosa de Oliveira afirmou esta quarta-feira que, se vencer as eleições, vai desenvolver um projecto de recuperação dos centros históricos do concelho, liderado pelo arquitecto Souto de Moura.

“Vou trabalhar com as pessoas. Vou fazer a recuperação do centro histórico de Sintra e de outras freguesias, como Queluz, e o responsável pelo projecto será o arquitecto Souto de Moura”, afirmou o candidato do movimento Sintra Paixão com Independência.

O também presidente da Junta de Freguesia de Queluz, eleito pelo PS, adiantou que o vencedor do Pritzker 2011, considerado o Prémio Nobel da Arquitectura, já confirmou que está disponível para liderar o projecto de recuperação do centro histórico de Sintra, bem como o de algumas das freguesias do concelho.

“Vamos fazer um projecto de recuperação com dinheiros europeus. A União Europeia acaba de aprovar uma resolução com um projecto para as cidades europeias. Ou seja, até 2020 vai haver dinheiro para as cidades que queiram fazer recuperação urbana. Portanto, nós vamos estar dentro desse projecto para que esse dinheiro venha para Sintra”, afirmou.

Barbosa de Oliveira adiantou que pretende seguir o exemplo de recuperação urbanística feita em Lisboa, considerando que esta aposta vai criar mais emprego e mais riqueza no concelho de Sintra.

“Quando a indústria da construção civil se movimenta, movimenta-se muita gente atrás, seja o sector imobiliário ou outro. Vamos criar riqueza, postos de trabalho e mobilidade”, afirmou o candidato, durante uma iniciativa de campanha que decorreu na freguesia de São Marcos.

À presidência da Câmara de Sintra, além de Barbosa de Oliveira, candidatam-se Basílio Horta (PS), Pedro Ventura (CDU), Marco Almeida (independente), Luís Fazenda (BE), Barbosa de Oliveira (independente), Nuno da Câmara Pereira (PND), Pedro Pinto (PSD/CDS-PP), Nuno Azevedo (PAN), José Lucena Pinto (PNR) e António Laires (PCTP/MRPP).
 

Sugerir correcção