Blatter admite que o Mundial de 2022, no Qatar, pode ter sido "um erro"

Presidente da FIFA lembra, por outro lado, que a Europa não é o único continente a gostar de futebol.

Foto

Atribuir ao Qatar a organização do Mundial de futebol de 2022 pode ter sido "um erro", admitiu esta segunda-feira, pela primeira vez, o presidente da FIFA, Sepp Blatter.

A escolha do Médio Oriente para a realização do torneio levanta uma série de obstáculos, o principal dos quais diz respeito ao calor. Com temperaturas muito elevadas no Verão, época em que habitualmente decorre a prova, tem sido aventada a possibilidade de uma nova data.

Acontece que a alteração do calendário para o Inverno europeu traria grandes dificuldades, tendo em conta o facto de decorrerem, nessa altura, os campeonatos nacionais (e as provas da UEFA) um pouco por todo o continente.

Em resposta a uma pergunta do site insideworldfootball.com sobre a escolha do Qatar, Blatter foi claro: "É provável que tenhamos cometido um erro", vincou o suíço, que já dissera não ser "racional" disputar o Mundial no país em Junho e Julho.

“É preciso ter em conta, por outro lado, as realidades geopolíticas", defende-se. "O Campeonato do Mundo é o torneio mais global da FIFA. Quem somos nós, europeus, para exigir que este evento sirva as nossas necessidades acima de todas?", questiona Blatter.

O líder da FIFA diz esperar que o comité executivo aprove a proposta de uma mudança de calendário e assume que, se isso acontecer, partirá para uma análise detalhada do calendário internacional . "Naturalmente que teremos de falar e consultar todas as partes envolvidas", explicou.