Barry Huang/Reuters
Foto
Barry Huang/Reuters

Smartphones ultrapassam telemóveis convencionais

A líder Samsung aumentou a distância face à Apple, que é a única não asiática na lista das cinco maiores fabricantes. Cerca de um em cada quatro telemóveis enviados para venda eram da Samsung, mostram dados da Gartner

Os smartphones representaram, no segundo trimestre deste ano, 51% de todos os telemóveis enviados para os retalhistas, de acordo com números da Gartner. É a primeira vez que a analista regista um maior número de smartphones do que de telemóveis convencionais a seguirem para o retalho.

Os dados, divulgados nesta quarta-feira, indicam que, em todo o mundo, os fabricantes enviaram para venda 435 milhões de aparelhos, mais 3,6% do que no segundo trimestre de 2012. O segmento dos smartphones cresceu (mais 46,5% face ao período homólogo), ao passo que os telemóveis convencionais continuaram em queda (menos 21%). Os números estão em linha com os de outras analistas, que já tinham registado a tendência.

O crescimento no mercado dos smartphones foi conseguido sobretudo graças à procura de aparelhos equipados com sistema operativo Android, que passaram de 98,7 milhões de unidades para 177,9 milhões, o que se traduziu num aumento de quota de mercado de 64,2% para 79%. Os iPhones tiveram um crescimento mais modesto, passando de 21,9 milhões de aparelhos para 31,9 milhões, e a Apple viu a quota de mercado cair para de 18,8% para 14,2%. O sistema Windows Phone, da Microsoft, está em terceiro lugar, mas tem uma fatia de apenas 3,3%. Os BlackBerry ficam-se pelos 2,7%.

A sul-coreana Samsung, líder na tabela de fabricantes, conseguiu aumentar ligeiramente a distância face à Apple, tendo agora uma quota de mercado de 31,7%. A Apple é a única empresa não asiática entre as cinco maiores marcas. Nesta lista, seguem-se a LG (sul-coreana), a Lenovo e a ZTE (ambas chinesas).

Feitas as contas ao mercado total de telemóveis, a Samsung continua na frente: praticamente um em cada quatro telemóveis enviados para venda eram desta marca. A Nokia aguenta-se em segundo lugar, com 14% do mercado, embora esteja a perder utilizadores. Em terceiro está a Apple.