“Ódio pessoal cega-nos, torna-nos insensatos”, diz Menezes sobre declarações de Rui Rio

O presidente da Câmara do Porto disse, na terça-feira, em entrevista à RTP, que seria "hipócrita" se apoiasse o candidato do PSD.

Menezes prometera ser o primeiro dos candidatos a entregar as listas no município do Porto
Foto
Menezes promete ajudar Rio a terminar o mandato no Porto "com dignidade" Nelson Garrido

O candidato do PSD à Câmara do Porto, Luís Filipe Menezes, reagiu esta manhã às declarações de Rui Rio sobre a sua candidatura: “O ódio pessoal cega-nos, torna-nos insensatos, faz-nos mentir e torna-nos ridículos.”

O ainda autarca de Gaia prestou uma curta declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas, à margem de uma visita às obras do Centro de Alto Rendimento Olímpico da cidade, garantindo que “nunca” se guiou por ódios pessoais e afirmando: “Não tenho ódio pelo presidente de Câmara do Porto, tenho respeito e tudo farei para que termine o seu mandato com dignidade.”

Antes, Menezes tinha dito que acabara de saber que “nos últimos 12 anos, a Câmara do Porto investiu 167 milhões de euros”: “Agora percebo alguma coisa. Este valor é metade do que investiu a Câmara de Paredes e 10% [do investimento de Gaia]." Num ataque à política seguida por Rui Rio à frente do município do Porto, Menezes argumentou: “Percebo porque há tantas famílias com problemas nos bairros sociais, tanto comércio a fechar, tanta decrepitude na cidade.”

Na terça-feira, em entrevista à RTP, Rui Rio disse que seria “hipócrita” se apoiasse a candidatura de Menezes e “oportunista” se não emitisse, nesta altura, a opinião sobre o candidato escolhido pelo seu partido, o PSD. “O candidato do meu partido, vamos ver se é candidato, tem-me feito mais oposição nestes 12 anos que o PS. Desde o fogo-de-artifício de S. João ao Festival das Tripas, tudo serviu para se demarcar do que era a gestão da Câmara do Porto”, afirmou Rio.

O autarca acusou Menezes de deixar “uma dívida brutal” em Gaia, pelo que quem lhe suceder terá “um problema gigantesco” para resolver. “Tenho a obrigação ética de me demarcar muito claramente daquilo que sei que vai destruir tudo o que foi feito. É lamentável que durante 12 anos o PSD tenha dito à população para votar num projecto como o meu e a meio do meu mandato venha dizer votem no seu contrário. Isto descredibiliza os partidos”, afirmou Rio.

Críticas "irrelevantes", diz PSD-Porto
A distrital do PSD-Porto também já reagiu, através do seu líder, Virgílio Macedo, que classificou nesta quarta-feira “exageradas” as críticas de Rui Rio ao candidato Luís Filipe Menezes, mas considerou que não prejudicam a campanha do partido por serem “irrelevantes”.

“Não vai prejudicar. São irrelevantes, porque é uma opinião pessoal. Foram exageradas e não concordo com elas, mas é a forma de actuação de Rui Rio”, observou Virgílio Macedo em declarações à Lusa. “Rui Rio já nos habituou a tomadas de posições públicas fortes e incisivas, mas acho que ontem [terça-feira] exagerou nas considerações que fez relativamente à candidatura do PSD à cidade do Porto”, disse Virgílio Macedo.

A candidatura de Luís Filipe Menezes, considerou o dirigente, é um processo político feito com “toda a transparência e lisura” por parte dos militantes do concelho do Porto, acrescentando que as críticas de Rio são injustas.

Para Virgílio Macedo, a “divergência de opiniões” entre Rio e Menezes é “pública”, pelo que “não há nenhuma novidade” na tomada de posição do ainda presidente da autarquia portuense.

Os militantes sociais-democratas do Porto, segundo o líder da distrital social-democrata, reconhecem “qualidades de liderança” ao candidato do PSD à autarquia portuense. “A partir do dia 29 de Setembro vai-se abrir um novo ciclo político e vejo os portuenses e o concelho do Porto com forte convicção de que esse ciclo deverá ser liderado por Menezes”, frisou Virgílio Macedo.

O líder do PSD-Porto salientou ainda que o partido tem “grande admiração” pelo trabalho de Rui Rio à frente da Câmara do Porto e que Menezes também será um “bom presidente”.