DR
Foto
DR

Dubai perdoa norueguesa condenada à prisão por fazer sexo fora do casamento

Marte Dalelv, de 24 anos, fez queixa de colega de trabalho e acabou condenada por ter mantido relações sexuais fora do casamento. Caso está a gerar onda de protestos

Marte Deborah Dalelv, a norueguesa condenada no Dubai a uma pena de prisão por sexo fora do casamento depois de ter sido alegadamente violada por um colega de trabalho, foi perdoada e autorizada a deixar o país.

Marte Dalelv, uma decoradora de interiores de 24 anos, denunciou a violação por um colega durante uma viagem de trabalho no Dubai junto das autoridades em Março último. Segundo a norueguesa, a polícia confiscou-lhe o passaporte e manteve-a detida durante quatro dias após a denúncia. Refugiou-se depois numa igreja norueguesa no Dubai.

Um tribunal nos Emirados Árabes Unidos condenou-a a 16 meses de prisão por manter relações sexuais fora do casamento, consumo de álcool sem licença e falsas declarações. O alegado violador foi condenado a 13 meses de prisão sob as mesmas acusações.

Indulto e devolução do passaporte 

Marte Dalelv recorreu da sentença com o apoio judicial do Governo da Noruega, que conseguiu a sua liberdade condicional até ao desfecho do processo. Nesta segunda-feira a norueguesa anunciou que foi indultada e que lhe foi devolvido o passaporte, estando autorizada a deixar o país. A jovem pretende regressar à Noruega nos próximos dias, segundo disse aos jornalistas após a audiência onde foi informada de que tinha sido perdoada.

O ministro dos Negócios Estrangeiros norueguês, Espen Barth Eide, anunciou a decisão do tribunal no Twitter. “Marte foi libertada! Obrigada a todos os que assinaram para a ajudar”, escreveu o chefe de diplomacia. Espen Barth Eide referia-se às pessoas que nos últimos dias assinaram petições apelando à libertação da jovem e que partilharam o caso nas redes sociais.

No emirado, a embaixada da Noruega, citada pela AFP, confirmou a autorização para Marte Dalelv abandonar o país. Ragnhild Imerslund, porta-voz da representação diplomática, acrescentou que a norueguesa poderá permanecer no Dubai se assim o desejar e regressar quando quiser.