Marcelo diz que Governo escapou por pouco

Comentador e conselheiro de Estado considera que o Presidente da República optou pela decisão mais prudente ao manter em funções o actual Governo.

A comunicação que o Presidente da República fez neste domingo, anunciando que manteria em funções o actual Governo, não surpreendeu o comentador e conselheiro de Estado Marcelo Rebelo de Sousa. "O Governo escapou por um fio", considerou Marcelo, no seu tempo de opinião na TVI. "Agora, tem de levar a sério a promessa de coesão", frisou.

Para este antigo presidente do PSD, ficou claro que Cavaco Silva "manteve a convicção até ao fim" na possibilidade de um acordo entre PSD/CDS e PS. "Deu um guião com os pontos fundamentais", lembrou Marcelo, correndo "um risco" com uma iniciativa "muito arrojada" que, porém, resultou num fracasso. Neste quadro, manter o actual Governo foi "o caminho mais prudente e mais sensato", considera Marcelo.

A alternativa anunciada nesta noite por Cavaco precisa agora de ser respeitada, destacou ainda. "Admiti a hipótese de o Presidente ser mais condicionante, mas isso faria sentido há uma semana. Neste momento, o caminho que ele escolheu é o mais prudente", prosseguiu, entendendo que o que Cavaco disse ao Governo poderia ser sintetizado assim: "É importante juntar ao rigor financeiro o crescimento económico e o emprego, atenção que é preciso falar com o PS, atenção que é preciso falar com os parceiros económicos e sociais, e atenção que eu estou cá. Aceito o Governo para durar até ao fim da legislatura, mas estou atento".

Numa análise aos partidos, Marcelo entende que a maioria não cometeu erros e que é o líder do PS, António José Seguro, quem sai fragilizado. "Foi no mínimo ingénuo", disse Marcelo, sustentando que Seguro acreditava na possibilidade de eleições antecipadas, "e agora não tem nada". Conclusão: este processo pode ser "mortal" para a liderança política do PS.

"Se o PS não ganha as autárquicas, é preciso uma solução mais forte", sintetizou Marcelo. É a oportunidade que "António Costa já não tinha" para chegar à liderança do PS, concluiu.

Sugerir correcção