As operadoras que não barrem os serviços incorrem em coimas até cinco milhões de euros
Foto
As operadoras que não barrem os serviços incorrem em coimas até cinco milhões de euros

Mensagens eróticas barradas a quem não confirmar serviço

As operadoras que não procederem ao barramento, tal como dispõe a lei, incorrem em coimas de cinco mil euros a cinco milhões de euros

Os serviços de mensagens de conteúdo erótico ou sexual vão ser barrados a partir de meados de Agosto aos utilizadores que não confirmarem junto das empresas de telecomunicações querer receber o serviço, segundo uma lei publicada nesta quarta-feira.

Esta alteração à Lei das Comunicações obriga também empresas como a TMN ou Vodafone a verificar a validade dos contratos de serviços de valor acrescentado que facturam aos clientes que alegadamente contrataram receber periódica ou continuadamente SMS ou MMS com anedotas, meteorologia ou outros. 

Para ser válido o contrato, a vontade de receber as mensagens tem de ser manifestada “expressa e validamente, por escrito ou através de outro suporte durável”, caso contrário o serviço é barrado. 

Os assinantes de contratos considerados válidos vão depois de Agosto continuar a receber o serviço de mensagens, mas os restantes e os utilizadores de serviços de conteúdo erótico ou sexual vão ter de confirmar essa vontade de receber o serviço. 

O barramento também pode ser feito a pedido do assinante, e sem encargos, mesmo que exista um contrato válido, tendo a operadora 24 horas para fazer o barramento. 

Aviso por escrito

Até meados de Agosto, os prestadores de suporte dos serviços de valor acrescentado têm que promover um aviso, por escrito, a todos os assinantes, informando sobre as alterações da lei e sobre a necessidade de, querendo, solicitar o barramento dos serviços cujo acesso passa a ser facultado por defeito. 

Luís Pisco, jurista da associação de defesa dos direitos dos consumidores DECO, calcula haver “um sem número” de reclamações de utilizadores de serviços de conteúdo erótico e sexual, muitos deles menores, que não chegam a ser concretizadas por razões “de pudor” e que agora são resolvidas automaticamente. 

As operadoras que não procederem ao barramento, tal como dispõe a lei, incorrem em coimas de cinco mil euros a cinco milhões de euros.