No duelo com Maria Sharapova, foi Michelle Brito que gritou vitória

Aos 20 anos, a portuguesa radicada nos EUA obteve em Wimbledon o melhor triunfo da sua carreira ?e do ténis português e repete a presença na terceira eliminatória de um torneio do Grand Slam.

Vitória espectacular de Michelle Brito
Fotogaleria
Vitória espectacular de Michelle Brito Stefan Wermuth/Reuters
Fotogaleria
A tenista portuguesa impôs-se por 6-3 e 6-4 Adrian Dennis/AFP
Fotogaleria
Dia não para Maria Sharapova Adrian Dennis/AFP
Fotogaleria
A russa chegou a pedir assistência médica Adrian Dennis/AFP
Fotogaleria
Mas no final a festa foi de Michelle Brito Adrian Dennis/AFP

“É a melhor vitória da minha carreira. Estava a jogar muito bem, acreditei que conseguia e nos últimos pontos dei tudo o que tinha”, afirmou Michelle, logo à saída do court n.º 2.

Antes do encontro, poderia dizer--se que a tenista portuguesa iria ter uma luta desigual, com os seus 1,65m de altura e a experiência de quem figura no 131.º lugar do ranking mundial e que, só por uma vez, chegara à terceira ronda num Grand Slam (Roland Garros, em 2009). Só que Sharapova, 23cm mais alta e uma das raras tenistas que já ganharam os quatro torneios do Grand Slam, não contou que Michelle jogasse com a mesma potência do fundo do court e com mais precisão no serviço.

Michelle liderou por 4-1 e serviu a 5-3, quando a russa escorregou, queixando-se do court junto da árbitra. Mas não evitou que a portuguesa, radicada nos EUA, fechasse no segundo set-point.

Sharapova entrou no segundo set a servir melhor, mas uma dupla-falta abriu caminho para o break. Confiante, Michelle ampliou para 3-1 e nem uma segunda queda da adversária — que a levou a receber assistência fora do court, numa paragem superior a 10 minutos — arrefeceu a determinação da portuguesa.

A servir para fechar, Michelle sentiu a tentativa de reacção da número três mundial e teve de anular dois break-points antes de fechar no quinto match-point que dispôs, ao fim de uma hora e 34 minutos.

“Estava 5-4, se perdesse ficaria 5-5 e aí seria difícil voltar ao comando, porque ela estava a servir muito bem. Pensei: ‘Agora ou nunca.’ Tentei estar calma, apesar de às vezes ser difícil. Dei tudo o que tinha e resultou bem”, contou Michelle, que terá como próxima adversária, sexta-feira, Karin Knapp (104.ª) — o único duelo anterior foi no qualifying do Open dos EUA de 2011 (venceu a italiana, por 4-6, 6-2 e 7-6). Para já, estão garantidos 74 mil euros e 220 pontos que deverão levar Michelle até ao 92.º lugar.

E, pelo menos desta vez, se alguém se queixou dos gritos de Michelle, não foram os milhares de espectadores que lotaram o court 2, que a ovacionaram no final do encontro.