Cavaco diz que “há muita riqueza a explorar ainda” na agricultura

Chefe de Estado plantou uma árvore no Jardim Botânico Tropical, em comemoração do centenário de uma visita do ex-Presidente Manuel de Arriaga.

Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, considerou esta quarta-feira que “há muita riqueza a explorar” na agricultura “para benefício geral dos portugueses” e que “trabalho, bom senso e criatividade” fazem falta a Portugal.

“Acho que há muita riqueza a explorar ainda na terra para benefício geral dos portugueses. É com satisfação que eu me encontro, de vez em quando, com jovens agricultores que trazem hoje a sua técnica, o seu conhecimento, o seu saber, aquilo que aprenderam nas escolas profissionais e nas universidades, para aumentar a capacidade produtiva da nossa terra”, afirmou.

O chefe de Estado falava aos jornalistas no final de uma visita ao Jardim Botânico Tropical, para comemorar o centenário de uma visita do ex-Presidente Manuel de Arriaga, depois de questionado sobre se era importante que os portugueses se voltassem para a agricultura.

Numa visita onde disse querer, “acima de tudo, sublinhar a importância da árvore na história da República”, o Presidente confessou ter “um grande orgulho” da sua ligação à terra, contando um castigo que lhe foi dado pelo pai na juventude.

“Os portugueses sabem bem. Quando o meu pai me quis dar um castigo, por eu não ter estudado bem, colocou-me uma enxada nas mãos e, durante meses, mandou-me para o lugar que hoje é Vilamoura, cavar ao lado do meu avô. Por isso, tenho uma grande admiração por aqueles que trabalham a terra”, afirmou Cavaco.

Antes, durante a visita que fez a pé pelo Jardim Botânico Tropical, que fica a uma curta distância do Palácio de Belém, o chefe de Estado já tinha expressado aos jornalistas o seu gosto pela terra e em plantar árvores.

Questionado sobre as dificuldades em “a economia criar raízes”, Cavaco Silva defendeu ser “da maior importância criar alicerces mais sólidos”.

Já sobre qual “o adubo” que recomendaria para o país, o Presidente respondeu: “Trabalho, trabalho, trabalho, trabalho, trabalho, bom senso, criatividade. Isso faz falta a qualquer país e faz falta também a Portugal”.

No final da visita, Aníbal Cavaco Silva manifestou também “emoção” por ter plantado uma árvore, juntamente com Maria Cavaco Silva, que plantou outra, precisamente no dia em que se assinala o centenário da data em que Manuel de Arriaga, primeiro Presidente da República portuguesa, plantou uma planta juntamente com a sua mulher.

“Ao visitar a árvore que o primeiro Presidente da República, Manuel de Arriaga, plantou há precisamente cem anos, ao plantar aqui uma nova árvore, estou a tentar contribuir para que a árvore faça parte da história da República portuguesa”, afirmou.