Um país mais envelhecido, mais pobre e mais poupado

Rendimento médio das famílias baixou quase mil euros em 2012. A poupança aumentou. E somos cada vez mais escolarizados. No Dia de Portugal, dados do último "retrato" do país.

Fotogaleria
Fonte: INE/Pordata Infografia PÚBLICO
Fotogaleria
Fonte: INE/Pordata Infografia PÚBLICO
Fotogaleria
Fonte: para os pensionistas: IGFSS/MSSS (até 1998); ISS/MSSS (a partir de 1999), PORDATA; para a população sem escolaridade INE,Pordata Infografia PÚBLICO

É o retrato de um país com um número avassalador de idosos – mais de dois milhões –, muitos dos quais a viver sozinhos e a sobreviver com uma pensão inferior ao salário mínimo nacional. Um país onde o rendimento médio das famílias (a preços constantes) baixou para 27.811 euros no ano passado, quase menos mil euros do que em 2011, e onde o número de pensionistas com reformas inferiores ao salário mínimo nacional está perto dos 1,5 milhões.

São "números que contam a nossa história mais recente" os que aparecem compilados no último "Retrato de Portugal", o terceiro do género traçado pela base de dados Pordata, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, e que acaba de ser divulgado. No Dia de Portugal, o PÚBLICO seleccionou alguns.

A colectânea de indicadores de 2011 (actualizada com vários dados de 2012) revela um país assolado pela crise. A par do crescimento abrupto do desemprego, a população empregada a tempo parcial atingiu um novo recorde histórico (14,3%, em 2012). O número de pensionistas da Segurança Social que se reformaram antecipadamente também foi em 2012 o maior de sempre: mais de 175 mil. O total de beneficiários da prestação de desemprego suplantou os 398 mil.

Mas este é, mesmo assim, um retrato bipolar: ao mesmo tempo que ilustra a diminuição dos rendimento das famílias e o decréscimo dos montantes dos empréstimos da banca a particulares e a empresas em 2012, permite perceber de forma clara que a poupança particular está a aumentar. Tal como o saldo das remessas dos emigrantes e dos imigrantes (mais de 2,2 milhões de euros, no ano passado).

A despesa do Estado com a educação baixou para 4% do PIB entre 2011 e 2012, enquanto a da saúde subiu para 6,3%. E os tribunais judiciais continuam congestionados com processos pendentes (1.728.345, no ano passado), que representam quase o dobro dos processo findos.

Uma das mais valias deste trabalho de compilação estatística consiste no facto de permitir um olhar sobre os últimos 50 anos — da dimensão da população (o país tem hoje mais 1,7 milhões de habitantes do que em 1960), ao número de advogados a exercer (eram menos de dois mil em 1960, 51 anos depois são 27.869).

Os dados mostram uma sociedade que continua em mudança. Aumenta a população idosa — o grupo etário dos 65 ou mais anos representava, em 1960, 8% da população do país para, em 2011, chegar aos 19%. O casamento é cada vez menos uma opção – em 2012 celebraram-se 34.423 (quase menos dois mil do que no ano anterior), ao passo que em 1960 foram mais de 66 mil. As mulheres são mães cada vez mais tarde (a idade média ao nascimento do primeiro filho já vai nos 29,5 anos e era de 25 em 1960).

A taxa de analfabetismo continua a diminuir — 5,2% da população residente com 10 e mais anos, em 2011; em 1960, 39% das mulheres e 27% dos homens eram analfabetos. E também não pára de aumentar a percentagem de mulheres com ensino superior (16,9% da população com 20 e mais anos, contra apenas 12,4% no sexo masculino). O "Retrato de Portugal" completo pode ser consultado na Internet.