Nick Adams/Reuters
Foto
Nick Adams/Reuters

Megafone

A nova guerra das consolas: Xbox One

Após a apresentação da Xbox One, as acções da Sony subiram e as vendas da Wii-U aumentaram em 220%. Esperemos que a Microsoft esteja atenta a isto

Finalmente aqui está a Xbox para esta geração. Oba, Oba, a guerra pode agora começar!

Umas horas antes um colega perguntou-me o que estava a espera, disse-lhe: “Seguindo a lógica das conferências Microsoft nos últimos anos, eles devem privilegiar as capacidades Home Entertainment Center com o Kinect a mistura. Provavelmente muitas coisas que pouco interessam ao público europeu. Videojogos? Sei lá, um novo Halo, Call of Duty e jogos desportivos. É quase tradição deles ser assim”. A única verdadeira dúvida era o nome. Xbox 720? Durango? Xbox Next? Xbox III?


The Special One? 

Não me enganei. Assim que acabou a apresentação, tive a sensação de ser mais do mesmo. Mais uma vez privilegia-se o público norte-americano, apresentando serviços exclusivos para aquele território e deixando de parte os outros. Depois a linguagem continua a ser para os investidores. São muitos números e poucos jogos. A própria estrutura da consola assume-se como sendo um periférico para a sala e não uma consola (alguns até comparam-na com um antigo leitor de VHS). Em suma, não fiquei surpreso, mas de certa forma, esperava algo mais.

Ah sim, o nome. Tanto criticado e mal-amado nas comunidades. Para quem (ainda) não sabe vai ser Xbox One (X1). Talvez a Microsoft espere que seja “The Special One”. A verdade é que criou uma bela confusão com a primeira Xbox. Parece que nesta geração vamos ter alguns nomes mais esquisitos da indústria (Sony acrescentou um número, a Nintendo uma letra e a Microsoft uma palavra).

Uma nova estratégia

Por um lado, compreendo o que se está a passar. A Microsoft, tal como a Sony, tem preocupações noutros ramos, por isso é normal apresentarem serviços que sejam mais amplos, ou não tão focados em jogos. Afinal a Microsoft está a perder algum terreno nos seus mercados tradicionais, e por isso torna-se urgente encontrar outro local na sala onde se posicionar. Pelos vistos vai ser através da consola.

Acho que um vídeo viral na internet resumiu perfeitamente a conferência em três campos; televisão, desportos e Call of Duty. Até o Halo teve de se submeter à televisão (o maior destaque foi para a criação duma série televisiva baseada neste "franchising").

Uma coisa é certa, após a apresentação da Xbox One, as acções da Sony subiram e as vendas da Wii-U aumentaram em 220%. Esperemos que a Microsoft esteja atenta a isto e nas próximas semanas durante a E3 venha falar de jogos e não de mais números ou serviços que pouco interessam ao resto do mundo. Afinal, nós também gostamos dos títulos da Microsoft e representamos uma fatia importante do mercado global.