Automotora em testes descarrilou na Linha do Vouga

Acidente, que não provocou vítimas, envolveu uma das automotoras oriundas da Linha do Tua, cuja segurança foi posta em causa por peritos estrangeiros.

Os <i>light rail vehicles</i> têm o peso mal distribuído e um historial de acidentes na Linha do Tua
Foto
Os light rail vehicles têm o peso mal distribuído e um historial de acidentes na Linha do Tua Nelson Garrido/Arquivo

Uma automotora LRV (light rail vehicle) descarrilou nesta terça-feira à noite em Figueiredo, perto de Oliveira de Azeméis, quando realizava ensaios de linha.

Não houve vítimas, mas a unidade descarrilou totalmente, ficando com ambos os bogies (conjunto de rodados) fora da linha. A automotora em causa pertence a um tipo de veículos já envolvido noutros acidentes cuja segurança foi posta em causa por peritos estrangeiros.

O acidente deu-se um pouco antes das 22h, tendo sido enviada para o local uma brigada de ferroviários que carrilou a unidade durante a noite. Na madrugada desta quarta-feira, a automotora voltou a circular pelos seus próprios meios.

Este descarrilamento representa um revés nas intenções da CP em pôr a circular na Linha do Vouga este tipo de automotora, que tem já um historial de acidentes na Linha do Tua.

Um relatório de técnicos suíços, especialistas em material circulante de linhas de via estreita, refere que os LRV são muito leves e têm o peso mal distribuído, o que, em determinadas circunstâncias, pode provocar descarrilamento. Esse relatório foi elaborado na sequência dos acidentes no Tua, num dos quais morreu uma pessoa, e que contribuiu para o encerramento definitivo daquela linha.

Em Abril, a CP iniciou testes na Linha do Vouga, “em colaboração estreita com a Refer e sob coordenação do Instituto Superior Técnico, com o objectivo de poder analisar e chegar a conclusões sobre o funcionamento e comportamento deste material”, referiu então fonte oficial da transportadora pública.

A empresa, numa lógica de redução de custos, pretende afectar os LRV à Linha do Vouga para substituir as automotoras actuais que circulam nesta linha, que são mais pesadas, consomem mais e têm maiores custos de manutenção.

 

  

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações