Taxa de desemprego sobe para 17,7%

Mais 29 mil desempregados em três meses e menos 69 mil pessoas na população activa.

Fotogaleria
Fonte: INE/PÚBLICO
Fotogaleria
Fonte: INE/PÚBLICO

O número de desempregados em Portugal continuou a subir a um ritmo elevado durante os primeiros três meses do ano.

De acordo com os dados publicados nesta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de desemprego passou de 16,9% no final de 2012 para 17,7% no primeiro trimestre deste ano, um novo máximo histórico em Portugal. A taxa de desemprego é agora 2,8 pontos percentuais mais alta do que em igual período do ano anterior.

Feitas as contas e usando o critério oficial do INE, existem 952.200 desempregados em Portugal. Este critério não considera, por exemplo, as pessoas que, apesar de não terem emprego e de estarem interessadas em ter um, declararam ao INE não ter procurado emprego durante os últimos 30 dias. Se fossem consideradas essas pessoas, o número de desempregados já ultrapassaria o milhão de pessoas.

Segundo o INE, registaram-se no primeiro trimestre de 2013 mais 29 mil desempregados do que no final do ano passado. Em simultâneo, verificou-se uma diminuição 69.600 pessoas da população activa. Isto significa que, para além das pessoas que estão a cair no desemprego, há também um acréscimo daquelas que já desistiram de procurar emprego, sendo retiradas da população considerada activa. O número de empregados diminuiu quase 100 mil pessoas.

Os números agora publicados pelo INE confirmam a continuação da tendência de subida do desemprego durante este ano, que o próprio Governo reconhece. No Documento de Estratégia Orçamental, está prevista uma taxa de desemprego média no total de 2013 de 18,2%, que subirá ainda para 18,5% em 2014.

Desemprego de longa duração passa os 10%

Nos números hoje publicados, é notório que a subida do desemprego está a ser feita pela manutenção nesta situação por muito tempo de um número elevado de pessoas. A taxa de desemprego de longa duração registou, em três meses, uma subida de 0,9 pontos percentuais, atingindo já 10,4% da população activa.

Foi a primeira vez que a barreira dos 10% foi ultrapassada neste indicador. Isto significa que já existem, neste momento em Portugal, 560 mil pessoas que estão desempregadas há mais de um ano (mais 40 mil do que há três meses). Este número pode ser especialmente preocupante tendo em conta que contribuiu para um acréscimo da população desempregada que não tem acesso ao subsídio de desemprego.

A tendência de subida do desemprego entre os jovens também se manteve no primeiro trimestre de 2013, passando de 40% para 42,1%. Há um ano, este valor estava nos36,2%. Portugal parece assim estar a caminhar para a barreira dos 50% neste indicador, que já foi atingida pela Espanha e a Grécia.

Neste momento, o INE contabiliza a existência de 165.900 jovens entre os 15 e os 24 anos que, estando na população activa (não estudam e procuram emprego), estão desempregados. Empregados com a mesma idade há 228.500 jovens.

Algarve supera os 20%

O Algarve continua a ser a região do país mais afectada pela crise no mercado de trabalho. No primeiro trimestre do ano, a taxa de desemprego foi de 20,5%, face aos 19,7% do final de 2012. O Algarve volta assim a superar a barreira dos 20%, que já tinha atingido no início do ano passado.

Também com uma taxa de desemprego de 20% está agora a Madeira. Foi aqui que o desemprego mais cresceu nos últimos 12 meses (era de 16,1% no primeiro trimestre de 2012), um resultado que se pode explicar pelas restrições financeiras a que o Governo Regional da Madeira tem estado sujeito.

Lisboa, com uma taxa de desemprego de 19,5%, é a terceira região do país com um desemprego mais elevado e bem acima da média nacional de 17,7%. Abaixo da média, estão apenas os Açores, com 17% e a região Centro, com 13,3%.