Jornal centenário O Setubalense vai suspender publicação por tempo indeterminado

Foto
Setúbal perde um dos seus jornais emblemático

O jornal centenário O Setubalense vai suspender a publicação por tempo indeterminado já a partir da próxima semana lançando mais uma dezena de trabalhadores no desemprego, revelaram nesta quarta-feira à agência Lusa fontes da empresa.

"Fomos informados de que a edição da próxima sexta-feira seria a última e que na próxima semana já não precisávamos de vir trabalhar", disseram à Lusa alguns trabalhadores, que acrescentaram ter "cerca de dois meses e meio de salários em atraso".

O trissemanário O Setubalense, que completa 158 anos no próximo dia 1 de Junho, e que até agora se publicava às segundas, quartas e sextas-feiras, tem actualmente dez funcionários, incluindo cinco jornalistas.

Alguns trabalhadores do jornal admitem avançar desde já com o pedido de suspensão dos contratos de trabalho.

Contactada pela Lusa, a proprietária do jornal O Setubalense, Patrocínia Fidalgo, confirmou a intenção de suspender a publicação já a partir da próxima semana e admitiu que os trabalhadores têm cerca de dois meses e meio de salários em atraso.

"Houve uma grande quebra nas vendas e na publicidade, as despesas continuam, os encargos com o pessoal são muito grandes e decidimos suspender a publicação do jornal durante algum tempo", justificou.

"Esperamos que, durante o período de suspensão da publicação do jornal, as pessoas entendam que O Setubalense é uma referência e uma mais valia para a cidade. Não queremos que nos dêem nada, queremos apenas que façam publicidade", acrescentou.

Segundo o director do jornal, José Araújo, as dificuldades do jornal resultam fundamentalmente da diminuição da publicidade das grandes empresas da região e de diversas entidades da administração central e local.

"Temos grandes empresas na região mas estão de costas voltadas para os problemas locais. A publicidade dos organismos da administração central foi reduzida e os organismos públicos locais também estão de costas voltados para o jornal. Quando falamos de coisas incómodas, há sempre movimentações, ameaças e processos", disse.

"A Câmara de Setúbal, por exemplo, gasta milhares de euros em publicações internas e em departamentos de marketing e não apoia os jornais locais. Pelo menos não apoia o jornal O Setubalense há mais de quatro anos", frisou.

A agência Lusa tentou ouvir hoje ao fim do dia a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, mas não foi possível porque a autarca comunista está em período de férias.