Violência infantil: só as crianças conseguem ver esta campanha

Mupi de ONG espanhola visa prevenir maus tratos contra crianças através de mensagem secreta. As vítimas de violência infantil também aumentaram em Portugal

Este rosto tem marcas de violência, mas o mesmo rosto não tem marcas nenhumas. Confusos? O novo mupi da fundação espanhola ANAR (Ayuda Ñinos e Adolescentes en Riesgo) contra a violência infantil contém uma mensagem secreta para crianças. Tudo depende do ângulo de visão.

Desenvolvida pela agência publicitária Grey, a campanha intitulada “Sólo para ñinos” prima pela simplicidade e eficácia e é, tal como o nome indica, especialmente direccionada a crianças vítimas de maus tratos.

Enquanto os adultos vêem uma mensagem de consciencialização - o rosto de uma criança triste e a frase “às vezes, os maus tratos infantis só são visíveis para as crianças que os sofrem” –, as crianças vêem mais do que isso.

PÚBLICO -
Foto

A mensagem secreta

Neste caso, espectadores com estatura igual ou inferior a 1,35 metros – a altura mais comum de uma criança até 10 anos em Espanha, segundo um estudo da ANAR – conseguem ver uma cara com marcas de agressão e, para além da mensagem supracitada, uma outra que lhes oferece ajuda: “Se alguém te magoa, liga-nos e nós ajudamos-te”, seguindo-se o número de telefone de apoio.

O objectivo da campanha é chegar de uma forma discreta “a uma criança que normalmente está acompanhada por um adulto, muitas vezes o próprio agressor”, explica a Grey.

Rosa Saavedra, psicóloga e assessora técnica da direcção da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), considera que esta é uma campanha “inovadora” e, simultaneamente, eficaz dando à criança “instrumentos para poder libertar-se desta situação de violência”, explica ao P3.

Por outro lado, a psicóloga alerta para o facto de que, da mesma forma que esta técnina visa proteger os menores, o mesmo método pode ser usado para fins publicitários e de propaganda, “colocando as crianças em risco”.

Em Espanha, avança o jornal El País, a taxa de menores vítimas de violência sofreu um aumento de 13,6% em 2012 comparativamente a 2011. Em Portugal, de acordo com as estatísticas disponíveis no site da APAV, registaram-se 922 crianças e jovens vítimas de violência doméstica, número que aumentou face aos 827 casos registados no ano anterior.