Serviço da Vodafone para surdos teve mais de quatro mil vídeochamadas no primeiro ano

Clientes com deficiência auditiva são atendidos por assistentes em Língua Gestual Portuguesa.

Foto
Atendimento é feito por assistentes que sabem LGP Daniel Rocha

O serviço de vídeo-intérprete para surdos da Vodafone, em que os clientes com deficiência auditiva são atendidos por uma assistente em Língua Gestual Portuguesa (LGP), registou mais de quatro mil vídeochamadas desde a sua criação, há um ano.

O call-center funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 20h, através da linha 12717. Desde o lançamento a 27 de Abril do ano passado, foram registadas mais de quatro mil vídeochamadas, uma média de 80 por semana.

A gestora do projecto de responsabilidade social da Fundação Vodafone, Ana Mesquita faz um balanço "muito positivo" deste serviço gratuito para surdos, que é pioneiro em Portugal.

“A Vodafone Portugal foi a primeira operadora a lançar um call-center dedicado à comunidade surda, ou seja, o atendimento ao cliente é efectuado directamente pela assistente em LGP, não há aqui um intérprete pelo meio que faça a ponte entre as necessidades das pessoas surdas e o assistente”, explica.

Ana Mesquita sublinha que o lançamento deste projecto tinha como objectivo contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e inclusiva através do lançamento de produtos e serviços adaptados e inovadores a pessoas com necessidades especiais.

“O lançamento deste serviço não é uma iniciativa isolada. Integra um programa no âmbito da responsabilidade social da Vodafone muito mais abrangente. Desde 2005 temos vindo a promover e disponibilizar produtos e serviços adaptados também aos cegos e a pessoas com incapacidade superior ou igual a 60%”, acrescenta a gestora.

A equipa de assistentes do call-center teve formação com um intérprete e com o presidente honorário da Associação Portuguesa de Surdos, João Adalberto Ferreira, que ajudou a desenvolver gestos "específicos do léxico das telecomunicações que não existiam antes, como por exemplo pen, banda larga móvel, portabilidade, entre outros", afirma Ana Mesquita.

A maioria dos contactos efectuados para aquele serviço diz respeito a questões sobre facturação e outras relacionadas com os produtos e equipamentos.

Rute Faria, uma das quatro assistentes do call-center da Vodafone, considera o serviço "muito positivo e enriquecedor". "A LGP é a minha língua materna. Sou filha de pais surdos. Não sou intérprete, não sou formada, mas uso a LGP desde sempre”, conta a assistente, de 29 anos, que integra o serviço desde o início.

“Não somos meros intérpretes. A comunidade de surdos sente-se à-vontade connosco porque sabe do que estamos a tratar e não precisamos de recorrer a terceiros”, sublinha.

O projecto da Vodafone foi pioneiro, mas actualmente já existem outras operadoras na área das tecnologias que disponibilizam este serviço, como a TMN e a Optimus. Existem também outros serviços de vídeo-intérpretes disponíveis e gratuitos na Internet a que os surdos podem recorrer através do Serviin (Serviço de Vídeo Intérprete) na página do Portal do Cidadão Surdo.