Hulk, Witsel e Javi García põem Portugal no pódio

Transferências para outros clubes renderam bom dinheiro ao futebol nacional.

Hulk foi uma das transferências que mais dinheiro envolveu no futebol internacional em 2012
Foto
Hulk foi uma das transferências que mais dinheiro envolveu no futebol internacional em 2012 Francisco Leong/AFP

Portugal foi o segundo país do mundo que mais receitas líquidas encaixou (78,5 milhões de euros) em 2012, segundo os números divulgados nesta terça-feira pela FIFA.

No grupo de 10 países que mais lucraram com transferências de futebolistas, o Brasil encabeça a lista, com 92,2 milhões de euros de receitas líquidas – diferença entre o total das receitas e o de gastos –, seguido de Portugal e de Itália, este com um ganho de 70 milhões.

Para o saldo português muito contribuíram as transferências de Hulk, do FC Porto para o Zenit (60 milhões de euros), de Witsel, do Benfica para o Zenit (40) e de Javi Garcia, do Benfica para o Manchester City (20)

Relativamente à média de salários por ano para jogadores negociados em 2012, Portugal foi o quarto país que mais investiu, com uma média salarial de 183 mil euros por ano.

Nesta área, a Itália lidera o ranking, com uma média de 550 mil euros por ano, seguido de Inglaterra (518) e Alemanha (297), num “top-5” que é fechado pelo Brasil, com 61 mil euros por ano.

Na mesma contabilidade, Portugal foi o quinto país que mais gastou em comissões, quase 8,4 milhões de euros. Esta lista é comandada pela Inglaterra, que pagou, em 2012, 45 milhões de euros a intermediários. Seguem-se Itália (31), Rússia (17,5) e Alemanha (nove).

No total de 11.552 transferências registadas em 2012, mais um por cento do que 2011 (11.481), Portugal também foi o quinto país em aquisições (287) e vendas (400) de jogadores, em duas contabilidades lideradas pelo Brasil, que registou a compra de 696 futebolistas e a venda de 618 jogadores.

No total, foram movimentados quase 1930 milhões de euros, um valor que caiu 10 por cento comparativamente a 2011.

Nas contas por nacionalidades liderou o Brasil, com um total de 1463 jogadores negociados, seguido de Argentina (782) e de Inglaterra (507), enquanto Portugal fecha o “top-10”, já que foram negociados um total de 232 portugueses.
 
 

Sugerir correcção