Duas bombas em Boston provocam três mortos e mais de 100 feridos

Explosões ocorreram junto à linha de chegada da maratona. Autoridades estão a questionar várias pessoas mas ainda não fizeram detenções.

Fotogaleria
Muitos sofreram ferimentos nos membros inferiores
Fotogaleria
A polícia não tinha registada qualquer ameaça de bomba para a maratona
Fotogaleria
O rebentamento das bombas deu-se às 14h50 locais
Fotogaleria
A maratona de Boston é uma das mais antiga do mundo
Fotogaleria
Até esta quarta-feira, as autoridades deram conta de três mortos
Fotogaleria
Quase três quartos dos participantes já tinham cruzado a meta quando as bombas rebentaram
Fotogaleria
As tendas de apoio aos atletas foram transformadas em hospitais de campanha
Fotogaleria
A maior parte das vítimas foi ferida por objectos que normalmente se encontram em caixotes do lixo e na rua
Fotogaleria
Alguns hotéis da zona foram evacuados como medida de precaução
Fotogaleria
Obama: as autoridades vão "descobrir quem fez isto e porquê"
Fotogaleria
Entre os feridos está um bebé de dois anos, atingido na cabeça
Fotogaleria
As testemunhas descreveram um "autêntico cenário de guerra"
Fotogaleria
Boston vai manter-se aberta, mas sob fortes medidas de segurança
Fotogaleria
As bombas eram de fabrico artesanal
Fotogaleria
A zona onde ocorreram os rebentamentos vai ficar vedada nos próximos dias
Fotogaleria
Havia cerca de 500 mil pessoas a assistir à maratona
Fotogaleria
As bombas tinham pequenos pedaços de metal, ferindo principalmente os membros inferiores das víttimas
Fotogaleria
Há pelo menos 17 vítimas em estado crítico
Fotogaleria
O FBI admite estar à procura de ligações terroristas
Fotogaleria
Foram enviados mais de mil agentes antiterrorismo para apoiar a investigação
Fotogaleria
Estavam inscritos cerca de 27 mil participantes na maratona
Fotogaleria
As explosões atingiram participantes atletas amadores e membros do público que os esperavam
Fotogaleria
As autoridades contam pelo menos 130 feridos
Fotogaleria
Cinco mil dos participantes não terminaram a corrida
Fotogaleria
Boston está agora sob vigilância apertada, bem como outras cidades nos EUA
Fotogaleria
As explosões deram-se com 12 segundos de diferença
Fotogaleria
A evacuação do local foi uma das primeiras preocupações da polícia
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Duas explosões junto à linha da meta da maratona de Boston provocaram pelo menos três mortos e 130 feridos, segundo o último balanço feito pelas autoridades, que confirmaram ainda que estas explosões foram provocadas por "engenhos poderosos”.

Segundo jornais locais, um dos mortos confirmados é uma criança de oito anos. Dos 110 feridos e internados em diferentes hospitais da cidade, pelo menos seis estão em estado grave.

A polícia de Boston chegou a avançar que tinha havido uma terceira explosão na biblioteca John F. Kennedy, a cerca de 4,8 quilómetros das duas explosões junto à chegada da maratona, sem causar feridos, mas concluiu entretanto que se tratou apenas de um incêndio.

Segundo explicou o chefe da polícia de Boston, os dois engenhos deflagraram quase em simultâneo às 14h50 locais, separados por 50 a 100 metros um do outro. As duas explosões foram provocadas por “engenhos poderosos”, disse Edward F. Davis. “Estamos a questionar várias pessoas mas não há nenhum suspeito detido”, esclareceu numa conferência de imprensa.

Davis não chamou às explosões um ataque terrorista; disse "vocês podem tirar as vossas próprias conclusões sobre o que aconteceu aqui", quando isso lhe foi perguntado.

O que se sabe é que o ataque foi coordenado. E que as explosões aconteceram quando os principais atletas já tinham cortado a meta há hora e meia. O primeiro engenho explodiu no meio da assistência quando o relógio da maratona marcava 4 horas, 9 minutos e 43 segundos.

Eric Giandelone contou ao diário Los Angeles Times que tinha acabado a corrida e estava a beber um café e a ver os outros corredores a cruzar a meta quando ouviu uma explosão muito forte. “Olhei e só vi destroços a voarem”, diz Giandelone, 34 anos. Os corredores e os espectadores estavam a afastar-se da linha da meta quando a segunda explosão aconteceu, descreve Giandelone. “Havia pessoas sem pernas e sem braços, sim”, diz. “Vi mais pessoas feridas da segunda explosão porque as pessoas estavam a fugir naquela direcção”.

Há muitas imagens captadas por espectadores que tinham os seus telemóveis ou máquinas fotográficas apontados à corrida. As primeiras imagens da explosão mostram como aconteceu a poucos metros da linha de chegada, na rua Boylston, o coração da cidade, atrás das barreiras que delimitam a corrida do público. Um corredor é projectado para o chão com o abalo.

Um vídeo publicado no site do jornal Boston Globe mostra a cena uns instantes mais tarde. Há muita gente a gritar e uma nuvem de fumo negra; 12 segundos depois da primeira explosão, acontece a segunda, um quarteirão atrás.

"Oh meu Deus, oh, meu Deus", ouve-se lamentar o videasta.

Outros engenhos na cidade
As autoridades cortaram o acesso ao local de imediato e os feridos foram assistidos no local. Fotos partilhadas nas redes sociais mostram grande confusão na zona de chegada dos atletas, sendo visível muito sangue no chão. Três hotéis, o Mandarin, o Marriott e o Lenox foram evacuados. Nos outros hotéis da cidade as ordens foram para não deixar ninguém sair.

A Administração Federal da Aviação impôs uma zona de exclusão aérea na zona e encerrou o aeroporto, ao mesmo tempo que pedia às pessoas para permanecerem em casa e aos restaurantes e lojas na zona das explosões para encerrarem. E o nível de segurança marítima subiu de 1 para dois (três é o mais alto). "Estamos a tratar isto como um acontecimento em aberto", disse o chefe da polícia.

Sabe-se que as autoridades encontraram mais engenhos explosivos nas imediações do local, mas também um em Newton, fora de Boston, escreve o New York Times. A polícia fez explodir pelo menos um dessas bombas na rua Boylston.

Segurança reforçada em Washington
Em Nova Iorque, as autoridades reforçaram a segurança em vários locais, incluindo hotéis e monumentos. Em Washington, um porta-voz da polícia disse à Reuters que a segurança na capital norte-americana foi também reforçada. Mas não há ameaças específicas contra a capital: “Temos estado a monitorizar a situação em Boston e quaisquer possíveis consequências para a zona desde que este trágico incidente aconteceu”, disse o mayor, Vicent Gray, num comunicado. “Apesar de não existir neste momento nenhuma informação sobre ameaças credíveis contra a nossa região, temos planos para lidar com este tipo de situações”.

Los Angeles e São Francisco também subiram os seus alertas de segurança.

Antes de falar aos norte-americanos para lhes garantir que as autoridades vão “descobrir quem fez isto e porquê” e que “o responsável ou responsáveis sentirão todo o peso da justiça”, Barack Obama telefonou ao mayor de Boston, Tom Menino, e ao governador do Massachusetts,  Deval Patrick, oferecendo-lhes toda a assistência da Casa Branca, e ouviu as informações disponíveis sobre "a investigação e a resposta ao incidente em Boston" pela voz do director do FBI, Robert Mueller, e da secretária da Segurança Interna, Janet Napolitano.

"As nossas orações estão com aquelas pessoas que foram feridas em Boston", disse o vice-presidente, Joe Biden.

Esta edição da maratona de Boston teve a participação da portuguesa Ana Dulce Felix, que terminou no nono lugar. Estavam 25 mil atletas registados.