Câmara de Setúbal quer polícias com “formação e perfil adequados” nos bairros sociais

O Ministério da Administração Interna recebe segunda-feira os responsáveis autárquicos, que há anos pedem mais agentes e, principalmente, “policiamento de proximidade”.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

 “Mas não de qualquer maneira, entende? Em bairros sociais, onde tanta gente trabalha para melhorar a situação e as coisas andam tão devagar, os agentes têm de ter  a formação e o perfil e adequados para lidar com pessoas que são como nós, mas têm mais fragilidades do que nós, senão…”

Carlos Rabaçal não acaba a frase. Não quer, “mesmo”, falar das circunstâncias em que morreu o rapaz , ao fim da tarde de sábado, na sequência de uma perseguição policial. Em declarações à TSF, a presidente da Câmara, Maria das Dores Meira, já comentara, ao lamentar aquela morte, que “sendo certo” que ela “não foi resultado da intervenção” da polícia, o acidente de motorizada em que o rapaz circulava “foi provocado, um pouco, por essa intervenção”. Também ela insistirá, hoje, no policiamento de proximidade, que a responsável pela Divisão da Inclusão Social da autarquia, Conceição Loureiro, explica assim: “O agente que evita desacatos, que apoia os idosos, que ajuda as crianças não pode ser o mesmo que no dia seguinte vai ali algemar um rapaz, está a ver?”

No espaço conhecido por Bela Vista, três bairros contíguos cresceram, ao longo de décadas, com operários vindos originários dos meios rurais, gente dos países africanos de língua oficial portuguesa e pessoas de etnia cigana. Cerca de 4300 residentes, 30 por cento das quais com menos de 18 anos, calcula  Conceição Loureiro. Com outras especificidades: de uma forma geral são pessoas com um nível baixo de escolaridade, com poucos rendimentos ou desempregadas, onde o nível de insucesso e abandono escolares são altos, descreve.

Em resposta a um inquérito publicado em 2007, os moradores falam em “barril de pólvora”. O vereador garante que “já não é assim”. “Esqueça a imagem dos caixotes do lixo a arder – aquilo não é o bairro. O bairro são centenas de moradores que desde há ano e meio para cá se organizaram e, com material comprado pela câmara e oferecido por mecenas, pintaram os seus prédios e arranjaram portões e consertaram os canos…”.

O autarca refere-se a uma das inúmeras acções previstas no programa “Nosso Bairro, Nossa Cidade”, que nasceu da falta de entendimento entre a autarquia e o Governo de José Sócrates. Para debelar problemas do género dos que marcaram este fim-de-semana, o MAI propôs a celebração de um Contrato Local de Segurança, que pressupunha o envolvimento da autarquia e das comunidades na procura de soluções. “Nós olhámos para aquilo e dissemos: mas muito mais do que isto já nós fazemos!”, relata Carlos Rabaçal.

Uma “comissão mista”, com membros da autarquia e do MAI, chegou a elaborar o esboço de um ‘contrato atípico’, mas o orçamento – “um milhão e muito de euros para quatro anos” – provocou um impasse que coincidiu com a entrada do Governo em gestão, em 2011. “Não demos o trabalho por perdido: tínhamos o diagnóstico feito e as medidas elencadas. Com fundos comunitários, verbas próprias e a ajuda de mecenas estamos a avançar com o programa”, explica o vereador.

Diz que os resultados “são visíveis”, que as pessoas não estragam o que elas próprias arranjaram e que, para além disso, se orgulham do que estão a construir. “É essa gente que precisa de condições para andar pelos seus próprios pés”, insiste:  “Neste caso, da polícia de proximidade, que ajude a evitar os problemas e garantir que o esforço de tantos anos e de tanta gente não é destruído num dia por um acontecimento que é pontual”.