Assaltos a igrejas em Bragança já são o triplo dos registados em 2012

Dano é superior ao valor do produto roubado, diz um pároco de algumas das aldeias assaltadas.

Foto
GNR diz que em nenhum caso houve furto de arte sacra Nelson Garrido/Arquivo

De acordo com dados disponibilizados pelo comando da GNR em Bragança, desde o início de 2013, ou seja em menos de dois meses e meio, foram registados 33 assaltos a igrejas no distrito, na área de intervenção desta força de segurança. No ano passado, a GNR teve conhecimento de 13 assaltos a templos na região.

Só em Janeiro, houve 19 assaltos. No final desse mês, em apenas dois dias foram assaltadas cinco igrejas na região da Lombada. Em Fevereiro houve sete assaltos e neste mês de Março já foram contabilizados outros sete.

Nesta semana, foram atacadas as igrejas de Pinela, Santa Comba de Roças, Rio Frio e o santuário de Nossa senhora da Ribeira, em Quintanilha.

No início de Fevereiro, o padre Calado Rodrigues, pároco de algumas das aldeias assaltadas, dizia ao PÚBLICO que “o estrago é superior ao produto roubado”, até porque há algum tempo que os sacerdotes se previnem, guardando as peças mais valiosas no banco e recolhendo as moedas das caixas de esmolas.

Os prejuízos provocados por estes assaltos rondam, em média, os 500 euros por igreja, devido aos estragos nas portas e sacristias, e à destruição de algumas imagens. Segundo a GNR, em nenhum caso houve furto de arte sacra.

Em Fevereiro a GNR deteve três homens com 40, 49 e 50 anos, residentes em Viseu, suspeitos de crimes de furto em igrejas e juntas de freguesia dos distritos de Guarda e Bragança.

Segundo as autoridades, regra geral, os suspeitos deste tipo de crime ficam a aguardar julgamento em liberdade depois do primeiro interrogatório em tribunal, o que facilita a continuação da actividade.

Sugerir correcção
Comentar