Passos recebido com coelho enforcado na Faculdade de Direito de Lisboa

Alunos protestaram nesta quarta-feira contra Passos Coelho, numa conferência organizada pela Juventude Social Democrata.

Fotogaleria
O animal usado no protesto dos estudantes Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Passos Coelho sob protesto Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Os alunos contestatários Nuno Ferreira Santos

Algumas alunas empunhavam cartazes onde se lia "Quero o meu país de volta", "Não quero emigrar", e "Passo a passo avançam os vampiros".

Passos Coelho chegava à Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa para falar numa conferência da Juventude Social Democrata (JSD) sobre a reforma do Estado e, à entrada foi recebido por alunos que, de repente, encenaram o protesto.

Quando entrava no edifício, três ou quatro vozes cantaram Grândola, Vila Morena. Depois, já dentro do edifício alguns alunos com faixas negras empunharam a forca de madeira, onde estava pendurado o coelho morto.

Logo um coro de palmas se levantou e um dos alunos gritou "Viva a liberdade". 
Os seguranças do primeiro-ministro tentaram fazer os alunos baixar a forca, mas, percebendo que isso estava a ser filmado continuamente, desistiram.

Passos dirigiu-se então ao auditório onde está a fazer a sua intervenção no encerramento da conferência, cujas portas foram entretanto fechadas pelos seguranças. Porque os alunos seguiram a comitiva e ficaram retidos à porta do auditório a gritar "dói a propina, dói a propina", "gatunos, gatunos" e "demissão".

Os protestos conseguem-se ouvir com clareza dentro da sala, repleta de alunos, que aplaudiram efusivamente Passos quando o líder da JSD o anunciou.

Reforma do Estado não é só financeira

Dentro da sala, no seu discurso, o primeiro-ministro discorreu sobre a história da formação da UE, sobre a grande mobilidade dos jovens de hoje, sobre o ser e o sentir-se europeu quando em comparação com o resto do mundo. E depois nas dificuldades económico-financeiras que a Europa atravessa e questionou-se sobre o que se pode fazer.


Lembrou a situação de “pré-bancarrota” de Portugal, igual à do final do século XIX, apontou a culpa aos desequilíbrios do Estado e à “sensação ilusória de riqueza” em que se viveu durante anos.

Avisou ainda que a reforma do Estado “não pode ficar reduzida à dimensão financeira” e que a questão funcionou “como gatilho para uma discussão mais ampla”. E alertou: é preciso que os portugueses saibam o que querem fazer ao seu Estado social. Mas mais não especificou. Isso, prometeu, ficará para outra oportunidade.