Detida a “mulher mais poderosa do México”

Elba Esther Gordillo dirige há mais de 20 anos o mais importante sindicato da América Latina. Foi detida por suspeitas de corrupção

Gordillo em 2003: as suspeitas de corrupção são antigas
Foto
Gordillo em 2003: as suspeitas de corrupção são antigas Daniel Aguilar/Reuters

Elba Esther Gordillo, que apesar de ser a mulher mais poderosa do México é conhecida apenas por La Maestra (A Professora), foi detida por suspeitas de corrupção e de aproveitamento de fundos do sindicato de professores que dirige há mais de 20 anos.

O procurador-geral do México, Jesus Murillo, disse numa conferência de imprensa que Gordillo, 68 anos, teria desviado milhões de pesos para contas privadas. “Estamos claramente a falar de um caso em que dinheiros para os trabalhadores da área da Educação foram usados ilegalmente para benefício de várias pessoas, incluindo Elba Esther Gordillo”. Fala-se de desvios da ordem dos 120 milhões de euros. O dinheiro terá sido usado para comprar bens imóveis em vários locais, incluindo nos EUA, para aviões privados e cirurgias plásticas.

A detenção de Gordillo acontece um dia depois de o Governo mexicano assinar a lei da reforma da Educação. O sindicato dos professores lutou contra a lei que limita o controlo sindical nas contratações e no ensino, mudando um sistema em que lugares podem ser vendidos ou herdados. Aliás, Gordillo (e o seu sindicato, que tem 1,5 milhões de membros) era considerada o principal obstáculo a esta reforma. Os seus críticos acusam-na há anos de corrupção.

Gordillo tem influência não só por controlar o sistema de contratação de professores mas também por convencer os seus membros do sindicato a votar em bloco, diz a emissora britânica BBC.