Trienal no Alentejo promovida esta semana na ARCO, em Madrid

O ciclo de eventos da Trienal no Alentejo, que arranca em Abril próximo, será apresentado esta semana em Madrid no âmbito da Feira de Arte Contemporânea (ARCO), que é inaugurada na quinta-feira pelos príncipes das Astúrias.

Foto
Oliveiras em Reguengos de Monsaraz Nuno Oliveira

O objectivo da apresentação da Trienal, segundo uma nota dos organizadores, é dar a conhecer um ciclo que arranca com um festival de cinema gastronómico e que inclui a ‘residência’ de vários artistas nacionais e internacionais.

"A realização de um festival de cinema gastronómico e a promoção das denominações de origem e a gastronomia alentejana, ao mesmo tempo que se divulga a região como destino turístico e de investimento são outros dos objetivos da Trienal", explica o comunicado.

Exposições, conferências, provas de vinho e azeite e degustações de vários tipos estão na agenda da Trienal, que se prolonga até Outubro e que pretende, segundo os promotores "transformar o Alentejo numa plataforma internacional para a exibição de obras de artistas contemporâneos no espaço rural".

As iniciativas previstas incluem instalações e projectos com obras de artistas o japonês Tatsumi Orimoto, o britânico Christopher Kulendran Thomas, a brasileira Laura Belém, o angolano Yonamine Miguel, o norte-americano Douglas Fitch ou franco-camaronês Barthélémy Toguo.

No circuito de "exposições em espaço rural" estarão ainda obras de Pierre Gonnord, Perrine Lacroix, Rodrigo Bettencourt, Ana Fonseca, Francisco Vidal, Délio Jasse, João Leonardo, Yonamine Miguel, Benoît van Innis, Bela Silva, Laura Belém, Douglas Fitch, Beth Moysés, Carlito Carvalhosa, João Onofre, João Louro, Rodrigo Oliveira e Alexandre Farto.

Participam ainda Gabriela Albergaria, Santiago Morilla, Joana Vasconcelos, Eugénio Ampudia, Fernando Sanchez-Castillo, Manuel João Vieira, Marisa González, Ricardo Calero, Alberto Corbi, Marisa Gonzalez e Avelino Sala.

Os artistas, apoiados pelos alunos da Universidade de Évora, vão estar entre Março e Maio no Alentejo, em residência, para preparar as obras que serão expostas a partir de Junho em adegas, lagares, vinhas e olivais da região.

"Desta vivência resultará ainda a criação de uma linha de azeites e vinhos de autor para comércio internacional, integrada na estratégia de internacionalização dos produtos do Alentejo, refere D.André de Quiroga, coordenador do projecto.

"O Alentejo é o grande desconhecido, a última fronteira dentro do espaço europeu. A região tem um imenso património gastronómico, uma despensa riquíssima, que engloba carnes e fumados, queijos, arroz, doçaria de tradição conventual, para além do azeite e dos vinhos, e uma forma de receber calorosa e informal", refere Quiroga.

As obras a apresentar incluem filmes, vídeos, pintura, escultura, instalação e cerâmicas. Será criado com estas exposições um circuito que "motivará as pessoas a visitar o Alentejo, várias vezes, em estadias de curta duração, ao longo da Trienal".

No final de Abril arranca o ciclo de cinema em Reguengos de Monsaraz que incluirá filmes e documentários sobre o tema gastronómico, com a visita prevista de vários chefs internacionais.

No âmbito do ciclo de cinema estará a apresentação do Basque Culinary Center, a universidade de gastronomia de Espanha que tem entre os seus mentores Ferran Adriá, René Redzepi e Heston Blumenthal.

D.André de Quiroga explica que a divulgação da iniciativa está a suscitar grande aceitação, tendo pré-lançamentos ocorrido já, nos últimos meses no Fórosur (Cáceres) na FRIEZE (Londres) e na FIAC (Paris).