Defesa compromete a selecção em mais um ensaio para esquecer

A selecção nacional perdeu com o Equador, em Guimarães, num jogo de preparação para a fase de apuramento para o Mundial 2014.

Fotogaleria
Ronaldo no lance do primeiro golo Rui Farinha
Fotogaleria
Raul Meireles tenta a sorte de meia distância Rui Farinha
Fotogaleria
Ronaldo felicitado depois do golo Rui Farinha
Fotogaleria
Hélder Postiga ganha um lance aéreo Rui Farinha
Fotogaleria
Luís Neto estreou-se pela selecção Rui Farinha

O novo ano não começa da melhor forma para a selecção nacional. No primeiro compromisso de 2013, Portugal não conseguiu quebrar o ciclo negativo com que tinha terminado o ano anterior e perdeu em casa frente ao Equador (2-3). No encontro desta quarta-feira, em Guimarães, a equipa nacional deixou indicadores preocupantes antes da jornada dupla de apuramento para o Mundial de 2014, revelando pouca solidez defensiva e uma excessiva dependência de Cristiano Ronaldo no ataque.

Paulo Bento promoveu a estreia como titular do defesa-central Neto, fazendo dupla com Bruno Alves, no eixo do sector mais recuado e apostou em Eduardo na baliza, no lugar do habitual titular, Rui Patrício. As mudanças na defesa não são suficientes para explicar as debilidades de Portugal, porque homens habitualmente fiáveis como Coentrão e Alves também estiveram pouco acertados. Todavia, é por aqui que começa a explicar-se mais um resultado negativo da equipa portuguesa.

Logo aos dois minutos, Antonio Valencia marcou um raro golo de cabeça, antecipando-se a Fábio Coentrão e aproveitando o erro de Eduardo na saída ao cruzamento, num lance em que toda a defesa lusa mostrou alguma passividade. Esse foi apenas o primeiro despiste do jogo, mas deu o mote para um encontro que terminou com a derrota de Portugal.

A partida até tinha começado com um lance claro de golo para a selecção nacional, em que Hélder Postiga acabou por falhar na cara do guarda-redes contrário a recarga a um primeiro remate de Cristiano Ronaldo. Mas foi o Equador a adiantar-se no marcador.

Portugal demorou a encontrar-se e Caicedo podia ter feito o segundo do Equador (18’) pouco antes de a selecção nacional chegar ao empate. Cristiano Ronaldo, que foi o homem mais acertado da equipa enquanto esteve em campo, fez um bom golo à passagem do minuto 22. O jogador do Real Madrid trabalhou bem dentro da área, tirando um homem do caminho antes do remate com o pé direito, ao segundo poste.

O “capitão” ainda teve nos pés uma nova oportunidade mesmo antes do intervalo, mas desta feita rematou fraco quando se encontrava em boa posição dentro da área.

O despiste nacional viria a piorar no segundo tempo e numa altura em que nada o faria prever. Portugal até entrou melhor na segunda metade e podia ter-se adiantado por intermédio de Fábio Coentrão (48’) num lance defendido pelo guarda-redes Banguera. Aos 59 minutos, a selecção chegaria mesmo à vantagem através de Hélder Postiga, que desviou um cruzamento de Nani, finalizando da melhor forma um lance de ataque iniciado por Ronaldo.

Mas quando podia pensar-se que Portugal ia estabilizar o seu jogo, que ia aproveitar o facto de se ter colocado em vantagem, chegou novo golo do Equador, num lance em que João Pereira e Eduardo se desentenderam e o defesa do Valência acabou por desviar de forma desastrada para a sua própria baliza. Pereira apercebeu-se de imediato do erro, ainda sprintou para tentar evitar o golo, mas não chegou a tempo.

No minuto seguinte, Cristiano Ronaldo foi substituído por Varela e o ataque nacional eclipsou-se. Sem a sua principal referência, a formação orientada por Paulo Bento não mais voltou a criar uma jogada ofensiva perigosa, com excepção de um cabeceamento dentro da área, já nos instantes finais, que foi devolvido pela trave.

As coisas viriam a piorar ao minuto 70 com o primeiro golo de Caicedo em Portugal. O avançado que jogou meia temporada no Sporting assinou um belo remate, concluindo um lance ofensivo de qualidade da sua equipa, com um cruzamento de Valência e o toque atrasado de Benítez, a amortecer a bola para um remate espontâneo.

Demorou a ver-se uma reacção da parte dos portugueses e só a um minuto do final do tempo regulamentar Custódio causou perigo, atirando à barra na sequência de um livre lateral. Em cima da hora, porém, Benítez ainda teve a oportunidade de agudizar a derrota portuguesa, mas o resultado já estava feito quando atirou à malha lateral.

Portugal começa o ano de 2013 com um mau resultado, não conseguindo quebrar o ciclo negativo iniciado com a derrota frente à Rússia no apuramento para o Mundial e continuado com os empates frente à Irlanda do Norte e no particular com o Gabão.