Fanny Ardant filma em Lisboa com actores portugueses e Gérard Depardieu

Realizadora não revelou quando Depardieu vai estar em Lisboa.

Foto

A actriz e realizadora francesa Fanny Ardant iniciou esta semana a rodagem em Lisboa do filme Cadências Obstinadas, que conta com actores como Nuno Lopes e Ricardo Pereira, Asia Argento e Gérard Depardieu.

Num encontro na quarta-feira com jornalistas, antes de iniciar o terceiro dia de rodagem, a realizadora explicou que Cadências Obstinadas cruza duas histórias num velho hotel em ruínas, uma delas o fim de uma história de amor que tenta ser reconstruída através da arte.

A rodagem prolongar-se-á por seis semanas em Lisboa, tem produção de Paulo Branco e, embora o fio condutor do filme seja em francês, a história será falada em português e italiano, por via do elenco internacional.
 
Além de Nuno Lopes e Ricardo Pereira, o filme contará com o actor francês Gérard Depardieu, a actriz italiana Asia Argento, o italiano Franco Nero e o belga Johan Leysen. Laura Soveral, André Gomes, Maria João Pinho ou Marcello Urgeghe são outros actores portugueses do elenco.
 
Escusando-se a revelar quando é que Gérard Depardieu estará em Lisboa para participar no filme, Fanny Ardant disse que o actor francês já tinha pedido para entrar na longa-metragem anterior, Cinzas e Sangue, mas que só agora conseguiram trabalhar juntos. Sobre as recentes notícias da nova nacionalidade – russa – de Depardieu, por questões fiscais em França, Fanny Ardant disse que isso é assunto para os jornalistas e elogiou-o como um dos melhores actores da atualidade.
 
Cadências Obstinadas é a segunda longa-metragem realizada por Fanny Ardant, depois de Cinzas e Sangue (2009), também produzida por Paulo Branco. A realizadora desvalorizou a diversidade de nacionalidades do elenco, sublinhando que “o cinema é internacional” e que o que lhe interessa mais é o que diz o olhar dos actores.
 
Fanny Ardant, de 63 anos, disse adorar Lisboa, uma cidade onde encontra muita diversidade, mas a história de Cadências Obstinadas “não pertence a lado nenhum”: “O filme não tem um ponto de vista turístico. Podia filmar em Paris sem aparecer a Torre Eiffel.”
 
Grande parte da equipa de rodagem do filme é a mesma que fez Os Mistérios de Lisboa, de Raul Ruiz, e Linhas de Wellington, de Valeria Sarmiento, ambos produzidos por Paulo Branco.